Confederações: Dimas, Simão Sabrosa e Boa Morte acreditam em vitória de Portugal

Os antigos internacionais pela seleção portuguesa Dimas, Simão Sabrosa e Luís Boa Morte, disseram hoje que acreditam que Portugal tem boas hipóteses de conquistar a Taça das Confederações de futebol, na Rússia.

"A nossa seleção, sendo campeã europeia, tem todas as condições para fazer uma excelente campanha. Estão lá os melhores e a equipa está superconfiante, seria acabar uma época em beleza. Somos bons candidatos a ganhar a Taça das Confederações", resumiu à Lusa Dimas, agora com 48 anos, que cumpriu 44 jogos pela seleção, que representou nos Europeus de 1996 e 2000.

O jogador falava à margem de um jogo solidário entre a Fundação Luís Figo e a Fundação Dimitar Berbatov, que hoje decorreu no Estádio Nacional Vasil Levski, em Sófia, um momento em que os jogadores "aproveitam para matar saudades" num convívio "com fins solidários", recordando que esteve presente nos encontros da instituição do antigo n.º7 português "desde o primeiro".

O antigo lateral afirmou que Fernando Santos trouxe para Portugal "toda aquela confiança que faltava, mesmo ao adepto, com o culminar de sucesso no Europeu [em França]", elogiando ainda Cristiano Ronaldo e os jovens valores.

"O Cristiano está cada vez melhor, mas temos de louvar os jovens que estão a aparecer com qualidade e que serão o nosso futuro", apontou Dimas, que destacou ainda as hipóteses dos sub-21 no Europeu da categoria, o que se deve, em parte, "ao trabalho excelente de Emílio Peixe e Rui Jorge" e da "estrutura da formação" das 'quinas', que prepara a seleção "para os próximos dez anos" num grupo que chega "fortíssimo" à competição da Polónia.

Com 37 anos, Simão é um 'estreante' nos jogos solidários da Fundação de Luís Figo, e garantiu à Lusa que tem "as mais elevadas expetativas" em relação à participação nas Confederações, não só pelo estatuto de campeões da Europa "mas pelo que a seleção representa e sempre representou, com presenças nas grandes competições".

Para esta competição "importante", Simão elogiou o "melhor do mundo" Cristiano Ronaldo, o "jogador referência", bem como os "jovens com qualidade" que podem "entrar e jogar como se fossem os 90 minutos", além do selecionador, que o orientou no Benfica.

"O Fernando Santos continua a ser um pai para mim, conseguiu na seleção tirar o melhor de cada um", acrescentou o antigo internacional, que cumpriu 85 jogos e fez 22 golos pela 'turma' lusa, participando nos Mundiais de 2006 e 2010 e nos Europeus de 2004 e 2008.

Já Luís Boa Morte, colega de Simão no Mundial da Alemanha, onde Portugal 'caiu' nas meias-finais, considera que a Taça das Confederações é "uma competição diferente, por ser mais curta", mas que Portugal tem hipóteses de trazer para casa o 'caneco'.

"Acima de tudo, Portugal tem de se concentrar no que precisa de fazer para vencer a competição", explicou à Lusa o antigo extremo, agora com 39 anos, que cumpriu 28 internacionalizações e marcou um golo, à margem da partida solidária na capital búlgara.

A Taça das Confederações, prova que serve de teste para o próximo Campeonato do Mundo, começa no sábado e termina a 02 de julho.

A formação lusa, que está incluída no Grupo A, vai estrear-se no domingo, frente ao México, em Kazan, defronta na segunda jornada a anfitriã Rússia, a 21 de junho, em Moscovo, e fecha o agrupamento a 24 perante a Nova Zelândia, em São Petersburgo.

No Grupo B vão estar Alemanha, Chile, Camarões e Austrália.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)