Concurso distingue alimentos ecológicos criados por alunos do ensino superior

Bolachas de bolota e 'snacks' concebidos com um subproduto da cerveja são dois dos projetos finalistas da Ecotrophelia Portugal, competição que distingue produtos alimentares ecológicos criados por alunos do ensino superior e que decorre sexta-feira, na Alfândega do Porto.

O concurso Ecotrophelia Portugal, que avalia e distingue projetos de alunos de licenciatura e mestrado e que vai na segunda edição, "destaca-se por promover o desenvolvimento de produtos alimentares inovadores, com uma preocupação ecológica", disse à Lusa a diretora executiva do prémio, Deolinda Silva.

Esta competição, promovida pela PortugalFoods e pela Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares (FIPA), assume-se como uma "incubadora de ideias, geradas e alicerçadas no conhecimento", que pretendem "dar resposta às questões de sustentabilidade e desafios de mercado do setor agroalimentar", indicou.

Segundo Deolinda Silva, toda a criação dos produtos é realizada pelos alunos, desde a ideia até à conceção, passando pela produção, pela análise de viabilidade industrial e pelo desenvolvimento da embalagem, "sempre tendo em conta a componente ecológica".

Dentro dos 10 projetos finalistas, de 12 instituições de ensino superior do país, encontra-se uma bebida láctea de origem natural 100% portuguesa, fermentada à base de sorelho de ovelha, uma feijoada vegetariana, pronta a comer, e uma bolacha de feijão, uma alternativa às bolachas tradicionais.

Podem ainda ser encontrados bolachas de bolota com geleia de amores-perfeitos, isentas de glúten, um patê de leguminosas - ervilha, tremoço e feijão - 100% natural, e um produto semelhante a uma mousse, concebida com recurso a kefir (bebida fermentada).

Um 'snack' salgado composto por dreche (subproduto da produção da cerveja) e especiarias, uma mousse de cenoura e alfarroba, sem glúten e sem lactose, tostas feitas à base de vegetais, e "pickles" elaborados a partir de cardo (planta autóctone), são outros dos projetos finalistas.

Na sexta-feira, as serão avaliadas por um júri nacional, constituído por representantes do meio agroalimentar.

A equipa vencedora - Ecotrophelia Ouro - receberá um prémio de dois mil euros, a que acrescem 1.500 euros de serviços de SenseProfilling pela empresa SenseTest e 1.500 euros em serviços pela empresa Market Access, a par de um curso intensivo de inglês pelo British Council.

Além disso, o projeto distinguido representará Portugal na competição europeia do mesmo prémio, na feira de inovação e negócio agroalimentar SIAL Paris (França).

As equipas que conquistarem o segundo e o terceiro lugares - Ecotrophelia Prata e Bronze - receberão prémios de mil e de 500 euros, respetivamente.

Às três equipas será ainda atribuído um serviço de diagnóstico e consultoria de propriedade industrial aos projetos - IP Strategy Voucher -, pela empresa Patentree.

A Agência Nacional de Inovação (ANI), um dos parceiros desta competição, atribuirá a um dos finalistas o prémio BfK AWARDS. Este prémio é uma das iniciativas do Born From Knowledge (BfK), um programa de valorização do conhecimento científico e tecnológico promovido pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.

O vencedor do BfK AWARDS receberá uma peça de arte e beneficiará de um processo de acompanhamento do projeto, ao longo de 12 meses, pela ANI.

O Ecotrophelia Portugal conta com o apoio institucional da Associação Portuguesa De Certificação (APCER), da ANI, do British Council e da Câmara Municipal do Porto, tendo como parceiras as empresas Cerealis, Grupo Primor, Novarroz, Patentree, Saborosa, Sense Test, Tété, Vieira, All The Way Travel, CBS, Market Access e SPI.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.