Comissão administrativa em freguesia em Sever do Vouga após renúncias de CDS e PS

O Governo nomeou uma comissão administrativa para a freguesia de Talhadas, Sever do Vouga, após a renúncia ao cargo dos eleitos do CDS-PP e do PS à Assembleia de Freguesia, segundo um despacho publicado hoje em Diário da República.

A comissão administrativa para substituir temporariamente o órgão executivo da freguesia e marcar as eleições intercalares é composta por dois membros do PSD e um do CDS-PP, que foram indicados pela Secretaria-Geral da Administração Interna.

A nova estrutura será composta pelo presidente da Junta, António da Silva Portela (PSD), que venceu as eleições por apenas dois votos, César Ferreira da Cruz (PSD), secretário da Junta, e António Dias, ex-cabeça de lista do CDS-PP, que foi o segundo partido mais votado.

Em Talhadas, concelho de Sever do Vouga, distrito de Aveiro, as últimas autárquicas, em 2017, ditaram a vitória do PSD que elegeu quatro membros à Assembleia de Freguesia, tantos quantos o CDS-PP. Já o PS elegeu apenas um.

Nas reuniões para a formação da Junta, os três partidos não chegaram a entendimento e os eleitos do CDS-PP e do PS acabaram por renunciar aos cargos, em janeiro passado.

O CDS-PP alegou, na altura, que o presidente de Junta eleito "nunca mostrou vontade de dialogar, de estabelecer compromissos, de modo a que fosse formado o executivo que respeitasse a vontade do povo de Talhadas".

"O Presidente eleito queria levar a sua avante a qualquer custo, não olhando a meios para atingir os seus fins, prejudicando assim imensamente os moradores da freguesia das Talhadas. Aliás, a situação não é nova. Em duas eleições consecutivas, o PPD/PSD, que não tem maioria absoluta, tem-se comportado como se fosse dono de Talhadas", refere um comunicado do CDS-PP.

O PSD de Sever do Vouga, por seu lado, culpou o PS e CDS pela falta de condições do executivo para poder governar e diz que os partidos não respeitaram a condição de vencedor em Talhadas, lembrando que o presidente foi escolhido "democraticamente".

"Infelizmente a situação a que chegamos é a prova do mau serviço que o CDS e o PS estão a prestar à freguesia de Talhadas e o PSD está confiante que o povo de Talhadas vai dar uma lição de democracia a quem desrespeitou o mandato que lhes foi confiado", refere nota da concelhia social-democrata.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.