COMENTÁRIO: Leixões repete triunfo de 2016/17 e elimina Tondela após prolongamento

O Leixões, da II Liga, reeditou o triunfo da época passada sobre o Tondela, da divisão principal, e venceu hoje por 3-2, após prolongamento, o jogo da terceira eliminatória da Taça de Portugal em futebol.

Pedro Nuno, com um remate de fora da área, abriu o marcador para os visitantes, aos 14 minutos, antes de Murilo ampliar no segundo minuto da segunda parte. Logo depois, o tondelense Ricardo Costa foi expulso por acumulação de cartões, tendo os anfitriões aproveitado para igualar, com golos de Breitner, aos 70, e de Kukula, aos 84.

Bruno Lamas, aos 95, decidiu a eliminatória, antes de o Tondela ficar reduzido a nove jogadores por lesão de Joca.

Somando por vitórias os seis jogos disputados em casa esta época, o Leixões entrou forte, mas viu-se surpreendido, quando Pedro Nuno (14) apareceu sem marcação e marcou após canto cobrado por Murilo.

Explorando a ansiedade dos locais, o Tondela controlou o jogo e podia ter marcado em diversas ocasições, mas o Leixões também dispôs da sua oportunidade para empatar, aos 44, quando Stephen, de fora da área, fez a bola passar sobre a barra.

A segunda parte começou animada, com o Tondela a fazer o 2-0 por Murilo (47), assistido da linha de fundo por Tomané, mas, aos 53, sofreram uma grande contrariedade, quando Ricardo Costa foi expulso por acumulação de cartões.

O Leixões cresceu no jogo e, depois de boas oportunidades de Belly (58) e Derick (61), reduziu por Breitner, aos 70, na conversão de um livre direto.

A pressão dos locais valeu o empate aos 84 minutos, quando Kukula, assistido por Breitner, fez o golo, acabando Bruno Lamas, no prolongamento (95), por completar a reviravolta, com um remate de fora da área e sentenciar a eliminatória.

Jogo no Estádio do Mar, em Matosinhos.

Leixões - Tondela, 3-2 (após prolongamento).

Ao intervalo: 0-1.

No final do tempo regulamentar: 2-2.

No final da primeira parte do prolongamento: 3-2.

Marcadores:

0-1, Pedro Nuno, 14 minutos

0-2, Murilo, 47.

1-2, Breitner, 70.

2-2, Kukula, 84.

3-2, Bruno Lamas, 95.

Equipas:

- Leixões: Jet, Jorge Silva, Wei, Ricardo Alves (Youssouf, 73), Belly (Okitokandjo, 61), Stephen, Saná (Breitner, 51), Bruno Lamas, Derick, Evandro Brandão e Kukula.

(Suplentes: Nuno Pereira, Matheus, Breitner, Youssouf, Okitokandjo, Luís Silva e Lawrence).

Treinador: João Henriques.

- Tondela: Ricardo Janota, Fahd Moufi, Nick Ansell, Ricardo Costa, Pité, Claude Gonçalves, Bruno Monteiro, Pedro Nuno (Hélder Tavares, 57), Miguel Cardoso (Joca, 96), Murilo (Tyler Boyd, 74) e Tomané.

(Suplentes: Ricardo Moura, Hélder Tavares, Tyler Boyd, Joca, João Vasco, Ruca e Heliardo).

Treinador: Pepa.

Árbitro: João Sousa (AF Porto).

Ação disciplinar: Cartão amarelo para Evandro Brandão (03), Ricardo Costa (03 e 53), Saná (26), Stephen (56), Pedro Nuno (57), Pité (90+5), Kukula (96), Fahd Moufi (96), Jorge Silva (109), Bruno Monteiro (114), Bruno Lamas (119) e Hélder Tavares (119). Cartão vermelho por acumulação de amarelos para Ricardo Costa (53).

Assistência: cerca de 800 espetadores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.