Combate ao desperdício alimentar junta várias entidades de Leiria

Câmara e Politécnico de Leiria, Base Aérea de Monte Real, Regimento de Artilharia n.º 4 e dez restaurantes vão integrar um projeto de combate ao desperdício alimentar que estará no terreno até março de 2019, foi hoje anunciado.

"A iniciativa consiste na conceção de um guia para a redução do desperdício alimentar, destinado aos setores residencial, 'catering', restauração e bares, cantinas e refeitórios escolares e das Forças Armadas", começou por explicar à agência Lusa a vereadora da Câmara de Leiria Ana Esperança, à margem de uma sessão do projeto 'UrbanWins'.

Segundo Ana Esperança, que tem, entre outros, o pelouro do Ambiente, "numa primeira fase, e para testar a capacidade do guia em reduzir a quantidade de desperdício alimentar, serão selecionados" 15 parceiros-piloto.

Estes são três cantinas do Instituto Politécnico de Leiria, as cantinas da Base Aérea n.º 5, em Monte Real, e do Regimento de Artilharia n.º 4, na Cruz da Areia, e dez estabelecimentos de restauração e bar associados da Associação Comercial, Industrial e de Serviços da Região de Leiria (ACILIS).

"Em função dos resultados obtidos, pretende-se que as medidas do guia sejam divulgadas e implementadas pela população/cidadão comum", declarou Ana Esperança.

A autarca esclareceu que a partir de setembro "será iniciado o processo de implementação das medidas propostas" no guia, sendo que "os projetos-piloto deverão estar concluídos até março de 2019".

Esta ação vai permitir "melhorar a gestão dos alimentos e evitar o desperdício, ajudar quem mais precisa, reduzir os custos com a gestão dos resíduos e alimentação", apontou a vereadora, realçando os "benefícios ambientais, económicos e sociais".

O guia ficará disponível nos 'sites' do 'UrbanWins' e do Município de Leiria.

"Espero que se consiga sensibilizar a população no geral e as várias entidades para um dos principais problemas a nível económico, ambiental e social dos dias de hoje, o desperdício alimentar", afirmou a vereadora, considerando que todos podem contribuir se estiverem "conscientes do problema e na posse de informação" sobre o que se pode fazer para o minimizar.

Ana Esperança considera que "há atitudes e comportamentos" que se podem adotar em casa e no dia-a-dia que "se refletirão em ganhos, quer económicos quer ambientais".

"Considero que este projeto, pelo facto de contemplar uma forte participação de todos os agentes da comunidade, leva os participantes a sentirem-se parte da solução, o que facilitará a mudança de comportamentos", acrescentou.

'UrbanWins' é um projeto europeu que visa "desenvolver e testar soluções inovadoras para melhorar a prevenção e gestão de resíduos". Leiria é o único município português que aderiu.

É financiado pelo programa Horizonte 2020 e está a ser implementado desde junho de 2016 por mais sete municípios e 19 instituições de investigação.

A vereadora acrescentou que no âmbito do 'UrbanWins' foram selecionadas mais duas ações, a criação de um regulamento para os eventos sustentáveis, de forma a reduzir o impacto ambiental das atividades apoiadas pela autarquia de Leiria, e formação para o setor do comércio a retalho e restauração, para "dotar os comerciantes de formação/informação sobre boas práticas de triagem e deposição dos resíduos gerados no âmbito da sua atividade".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...