Cientistas portugueses empenhados em criar ar respirável para uma missão a Marte

O futuro da sobrevivência de uma missão a Marte poderá passar por usar plasma, estado da matéria semelhante ao fogo, para aquecer o ar irrespirável do "planeta vermelho" e criar oxigénio, descobriu uma equipa científica internacional liderada por portugueses.

O investigador Vasco Guerra, do Instituto de Plasmas e Fusão Nuclear, associado ao Instituto Superior Técnico, disse à agência Lusa que o método consistirá em aplicar "campos elétricos" ao ar de Marte, que é 96 por cento dióxido de carbono, e dividi-lo em monóxido de carbono e oxigénio, conseguindo criar ar respirável em ambientes fechados.

A carga a levar por uma missão espacial a Marte seria assim drasticamente reduzida, com a capacidade quer de criar ar respirável quer combustível para a viagem de regresso.

"Já existe um trabalho, uma linha de investigação" que usa os plasmas, um estado da matéria que consiste em gases ionizados, ligados ao trabalho sobre as alterações climáticas, para usar o dióxido de carbono atmosférico na criação de combustível.

Vasco Guerra salientou que a tecnologia descrita pela equipa no trabalho do Técnico, Universidade do Porto e École Polytechnique de Paris não visa tornar a atmosfera de Marte respirável em grande escala, mas criar condições de habitabilidade para astronautas em recintos fechados e criar uma "bomba de gasolina" no planeta para poder ser usado na viagem de regresso dos astronautas.

Em Marte, ocorrem naturalmente as condições que na Terra têm que ser recriadas artificialmente para os plasmas de baixa temperatura poderem ser usados para decompor o dióxido de carbono.

Para além da atmosfera rica em dióxido de carbono, o ambiente frio, de cerca de 60 graus centígrados negativos, e a baixa pressão atmosférica, 150 vezes inferior à da Terra, favorecem a transferência de energia necessária para criar plasma.

Na bagagem, os astronautas de Marte teriam de levar painéis solares, recipientes para armazenar oxigénio e um reator de plasma para conseguir a decomposição do dióxido de carbono.

Vasco Guerra afirmou que a investigação não se debruça sobre as aplicações terrenas da tecnologia, mas adiantou que poderia ser usada de forma mais imediata na estação espacial, para criar condições de habitabilidade.

A equipa tem "uma convicção muito grande" de que a tecnologia resulta e o próximo passo será contactar as empresas e agências espaciais empenhadas em ir a Marte para lhes apresentar o seu método, indicou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.