Chefe da NATO exclui adesão da Macedónia sem acordo sobre o nome definitivo do país

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, referiu hoje que a Aliança não aceitará a Macedónia como Estado-membro caso não seja concluído o acordo com a vizinha Grécia sobre a mudança de nome.

Stoltenberg encontrou-se hoje com o primeiro-ministro Zoran Zaev para exprimir o seu apoio à campanha do "sim" para o referendo de 30 de setembro.

O acordo proposto prevê que a ex-república jugoslava altere o seu nome para Macedónia do Norte, com o objetivo de terminar com as alegações gregas de que o seu nome implica a reivindicação da província grega da Macedónia (norte do país) e a sua herança histórica.

Diversos líderes ocidentais também estão empenhados neste decisivo referendo, cujo resultado poderá determinar o futuro político do primeiro-ministro social-democrata Zoran Zaev e do seu Governo de coligação. O chanceler austríaco Sebastian Kurz e a chanceler alemã Angela Merkel têm previstas deslocações a Skopje para sexta-feira e sábado.

Em finais de julho, o parlamento macedónio convocou para 30 de setembro um referendo sobre o acordo com a Grécia e relacionado com a alteração do nome do país para República da Macedónia do Norte.

Os deputados do Partido Social-Democrata (SDSM, no poder), apoiados pelos representantes dos partidos minoritários albaneses que representam cerca de 25% da população, aprovaram a pergunta que será referendada: "Apoia a integração na União Europeia [UE] e na NATO ao aceitar o Acordo entre a República da Macedónia e a República da Grécia?".

Antes do início da votação os deputados do VMRO-DPMNE (conservador e principal força da oposição) abandonaram o hemiciclo, mas a convocatória foi aprovada com o apoio de 67 deputados.

Em 17 de junho, os chefes das diplomacias macedónia, Nikola Dimitrov, e grega, Nikos Kotzias, assinaram o Acordo que estabelece o novo nome a nível nacional e internacional deste pequeno país dos Balcãs.

Desde a independência em 1991, e devido ao contencioso com Atenas, esta ex-república jugoslava era designada nos fóruns internacionais por Antiga República Jugoslava da Macedónia (FYROM, na sigla inglesa).

A aproximação entre os dois países vizinhos deverá permitir a Skopje desencadear o processo de integração na UE e na NATO, que permanecia por solucionar.

Após a ratificação do Acordo pelo parlamento de Skopje, a NATO emitiu um convite oficial para a adesão da Macedónia, mas preveniu que apenas será concretizada caso seja aplicado na íntegra, o que implica a sua aprovação em referendo. Sob as mesmas condições, a UE já estabeleceu a data de abertura das negociações de adesão para junho de 2019.

O VMRO-DPMNE, ao justificar o seu boicote, considerou que a pergunta que será submetida a referendo é "manipuladora".

O risco de uma baixa participação é efetivo, quando recentes sondagens indicam que apenas 31% dos eleitores pensam comparecer nas urnas, o que inviabilizaria o Acordo.

A Constituição macedónia apenas prevê a validação de um referendo consultivo caso participem mais de 50% dos eleitores, e se mais de metade dos que votam apoiarem a pergunta.

No caso de boicote dos eleitores da oposição conservadora nacionalista e dos indecisos, será muito pouco provável que o referendo garanta o mínimo de participação exigida.

Zaev já anunciou previamente que renunciará ao cargo de primeiro-ministro caso não obtenha a aprovação da pergunta do referendo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.