Cerveira e Tomiño "exemplos" de cooperação na mobilidade e regeneração urbana

A coordenadora da Unidade de Missão para a Valorização do Interior (UMVI) classificou hoje de "exemplar" a cooperação transfronteiriça entre Vila Nova de Cerveira, no Alto Minho e, Tomiño, Galiza, nas áreas da mobilidade e regeneração urbana.

"Como se viu na recente Cimeira Ibérica, a estratégia deste Governo assenta muito na cooperação transfronteiriça e o que está aqui a ser feito é exemplar. Tenho invocado muito esta sintonia de dois concelhos de dois países no desenvolvimento de projetos que acrescentam uma maior dinâmica ao que já existe", afirmou Helena Freitas.

A responsável, que falava durante a cerimónia de atribuição da II Bandeira Cidades de Excelência - nível II ao município de Vila Nova de Cerveira, sublinhou que "o que faz sentido é partilhar recursos e equipamentos, porque só assim somos mais eficazes, construímos muito mais identidade e mais vitalidade".

"A opção destes dois concelhos pela mobilidade sustentável com qualidade e esta preocupação pela preservação ambiental e da natureza é determinante. Está a emergir na nossa sociedade o paradigma ecológico. Cerveira e Tomiño são um excelente exemplo de cooperação, de sintonia e de desenvolvimento integrado, é um exemplo do que se deve fazer em territórios transfronteiriços", frisou.

Helena Freitas destacou os novos projetos de cooperação transfronteiriça em curso e da aposta da câmara local para aumentar a oferta habitacional, referindo "ser notório que existe uma visão e uma visão integrada".

A distinção hoje atribuída àquele concelho do distrito de Viana do Castelo, por parte da Rede de Cidades e Vilas de Excelência, reconheceu "o trabalho desenvolvido ao nível da mobilidade e da regeneração urbana".

Uma aposta, segundo o presidente da câmara, Fernando Nogueira, que tem sido feita de forma "sustentável, ambicionando o passo seguinte".

"Esta bandeira é o reconhecimento dos nossos passos e dos nossos projetos", referiu o autarca.

Fernando Nogueira avançou que "o trabalho em prol da mobilidade sustentável, em cooperação transfronteiriça, já tem futuro, com a aprovação de duas candidaturas Programa Operativo de Cooperação Transfronteiriço Espanha-Portugal (POCTEP)".

Especificou que uma das candidaturas prende-se com o projeto de criação de um ecoparque comum, o Parque Transfronteiriço Castelinho-Fortaleza, que resultará da união de dois espaços urbanos e de lazer, que se encontram "um em frente do outro", em ambas as margens do rio internacional.

O futuro ecoparque terá uma área total de 20 hectares, resultado da união do parque de lazer do Castelinho, em Vila Nova de Cerveira, e do espaço Fortaleza de Goián, em Tomiño, que juntos têm atualmente uma área de seis hectares.

A segunda candidatura, prevista no âmbito da Comunidade Intermunicipal (CIM) do Alto Minho, diz respeito ao anteprojeto para a construção de uma ponte pedonal e ciclável no rio Minho, com cerca de 900 metros de comprimento, a ligar os dois concelhos transfronteiriços.

O objetivo é "fomentar o conceito de um destino, dois países, valorizando o rio Minho como um elemento aglutinador de desenvolvimento de diversas vertentes".

Ler mais

Exclusivos