Centro Português de Fotografia inaugura exposição sobre prisões nacionais em setembro

O Centro Português de Fotografia (CPF), no Porto, inaugura no dia 08 de setembro a exposição "The portuguese prison photo project", uma mostra que reúne mais de 100 imagens que retratam "uma visão cruzada das prisões em Portugal".

"Quem é que já viu uma prisão do lado de dentro?" foi o desafio lançado a dois fotógrafos -- o português Luís Barbosa e o suíço Peter M. Schulthess --, que nesta mostra procuram transmitir "uma visão das prisões contemporâneas e históricas de Portugal", refere em comunicado o CPF, que está em si sediado na antiga Cadeia da Relação do Porto.

Às imagens captadas pelos dois fotógrafos, no ano passado e este ano, acrescem outras fotos históricas pertencentes aos arquivos nacionais, tendo a mostra 150 fotografias.

As abordagens dos dois fotógrafos "traduzem-se em duas perspetivas completamente diferentes", com Luís Barbosa a procurar "apresentar o ponto de vista dos detidos, privilegiando o ambiente em fotografias a preto e branco", e Peter Schulthess a documentar "as prisões de um ponto de vista mais institucional, usando para isso uma câmara de alta resolução e cor para revelar os mínimos pormenores".

"As fotografias históricas são uma representação das prisões do passado e das respetivas condições de vida", acrescenta o CPF.

A mostra surge depois de Daniel Fink, professor de História das Prisões na Universidade de Lausanne (Suiça), visitar o CPF, o que o levou a desenvolver a ideia de ali realizar uma exposição fotográfica sobre o tema.

Com os dois fotógrafos, a direção do CPF e investigadores das universidades do Porto e Lausanne, nasceu este projeto de cooperação, que inclui a realização de uma conferência internacional, nos dias 12 e 13 de outubro, em que serão abordadas, entre outras temáticas, "quais são as possibilidades e os limites da análise dos sistemas penitenciários nacionais" e "como evoluiu o tratamento das prisões como tema de fotografia".

Este trabalho conta ainda com a colaboração da Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais, que autorizou Luís Barbosa e Peter Schulthess a entrar em seis prisões no norte do país e numa em Lisboa.

"A exposição dos dois fotógrafos oferece uma visão cruzada das prisões em Portugal, desde as maiores às mais pequenas, de prisões que remontam a 1880 às inauguradas em 2014, de prisões masculinas até às prisões destinadas aos jovens", explica o CPF.

Luís Barbosa, nascido em 1975 no Porto, é fotógrafo e formador no Instituto Português de Fotografia e especializou-se em documentação fotográfica de cariz social e cultural.

Já Peter Schulthess, especializado em fotografia de arquitetura, designadamente prisões, nasceu em 1966 em Basileia, na Suiça, sendo membro da SBF (Swiss professional Photographers) e da Photo Designers SBF.

As fotografias antigas apresentadas na mostra, que estará patente ao público até ao dia 03 de dezembro, foram realizadas entre 1876 e 1974 e escolhidas num universo de muitas centenas pertencentes aos acervos de diversos arquivos públicos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.