Cem bolsas de estudo para estudantes universitários cabo-verdianos inscritos em Portugal

Uma centena de bolsas de estudos vai ser atribuída a estudantes universitários cabo-verdianos inscritos em instituições de ensino superior de Portugal, no ano letivo que está prestes a começar, segundo o Ministério da Educação de Cabo Verde.

Em comunicado, o governo cabo-verdiano sublinha que, em comparação com o ano letivo anterior, este número representa um aumento de 51,5% das bolsas atribuídas, passando de 66 para 100.

Segundo o Ministério da Educação cabo-verdiano, continuam em curso os procedimentos de seleção de beneficiários de bolsas de estudo do Governo de Cabo Verde para alunos já colocados e inscritos nas instituições de ensino superior de Portugal, através de um processo, igualmente concorrencial, de seleção para as vagas disponibilizadas pelo Governo de Portugal.

"Até este momento foram selecionados 56 novos bolseiros no âmbito do Programa de Bolsa Social, 10 no Programa de Bolsa de Mérito e 17 para estudantes do curso de Medicina da Universidade de Cabo Verde que, neste ano letivo prosseguem os estudos na Universidade de Coimbra", prossegue o comunicado.

Ao todo, foram atribuídas 83 bolsas de estudo a alunos cabo-verdianos colocados e inscritos, pela primeira vez, em cursos superiores em Portugal.

O Ministério da Educação refere que está a avaliar a conformidade das reclamações apresentadas sobre o processo de atribuição de vagas e ou de bolsas, mostrando-se "disponível para corrigir as inconformidades que venham a ser confirmadas".

Segundo este ministério, "os critérios para atribuição de bolsas de mérito estão baseados exclusivamente no aproveitamento escolar dos candidatos".

"A média do 12.º ano de escolaridade é o critério único, transparente e igual para todos. A seriação exclui assim todos os demais fatores ou ponderadores", garante o executivo.

Contudo, o governo considera que "é preciso aprofundar a reflexão sobre o modelo de financiamento da formação superior, no país e no estrangeiro", o que levou o Ministério da Educação a criar "uma equipa de reflexão".

Esta equipa é constituída pelos diretor do Gabinete do Ensino Superior, Ciência e Tecnologia (GESCT), o presidente da Fundação Cabo-Verdiana de Ação Social Escolar (FICASE) e por um representante do Instituto Nacional de Previdência Social (INPS).

Com a orientação do secretário de Estado Adjunto da Educação, o grupo está a trabalhar "na construção de cenários conducentes à formulação de propostas de um novo modelo de financiamento da formação superior (e técnico-profissional), assente nos princípios de generalização de acesso, da equidade, da justiça e da perenidade e sustentabilidade do sistema, com responsabilidades repartidas entre o Estado e o beneficiário".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.