Catalunha: Abecásia declara-se disposta a reconhecer independência

A República separatista da Abecásia, que rompeu laços com a Geórgia em 2008 e só é reconhecida internacionalmente pela Federação Russa e Venezuela, manifestou-se hoje disposta a reconhecer a independência da Catalunha, se for solicitada para tal.

"Estamos dispostos a estudar o assunto do reconhecimento da Catalunha, enquanto Estado independente, mas falar disso é prematuro", afirmou o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros desta autoproclamada república, Kan Tania, à agência noticiosa oficial russa RIA Novosti.

O diplomata sublinhou que, para que a Catalunha seja considerada um Estado independente, ainda tem de cumprir uma série de requisitos legais, mas realçou o interesse da Abecásia em estabelecer relações com os líderes, os políticos e o povo catalão, no seu conjunto.

"Depois disso, se se dirigirem a nós com um pedido de reconhecimento, nós, bem entendido, estaremos dispostos a estudá-la", comentou.

A Abecásia conta desde 2014 com o seu próprio representante na Catalunha, se bem que não tenha um escritório de representação, como o que foi aberto esta semana também pela região separatista georgiana da Ossétia do Sul.

A Federação Russa reconheceu a independência da Ossétia do Sul e da Abecásia, depois de derrotar a Geórgia num breve, mas sangrento, conflito militar pelo controlo daquela região, em agosto de 2008, no que foi secundada pela Venezuela, Nicarágua e Nauru (ilha da Micronésia).

O parlamento catalão aprovou hoje uma moção a favor da independência da Catalunha, que foi condenada pelas principais potências internacionais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

educação

O que há de fascinante na Matemática que os fez segui-la

Para Henrique e Rafael, os números chegaram antes das letras e, por isso, decidiram que era Matemática que seguiriam na universidade, como alunos do Instituto Superior Técnico de Lisboa. No dia em que milhares de alunos realizam o exame de Matemática A, estes jovens mostram como uma área com tão fracos resultados escolares pode, afinal, ser entusiasmante.