Casamento homossexual é permitido pela Constituição cabo-verdiana - especialistas

A Constituição de Cabo Verde permite o casamento entre pessoas do mesmo sexo, defenderam hoje vários especialistas, num debate sobre o tema, em que as organizações de defesa dos direitos LBGBT não estiveram presentes.

No debate sobre o tema "LGBT: uma questão de amor, fé, lei ou poder?", promovido pela Parallax Produções, conclui-se também que os artigos do Código Civil que proíbem o casamento entre pessoas do mesmo sexo são inconstitucionais.

A discussão surge depois de o secretário-geral do partido no poder (MpD) e deputado, Miguel Monteiro, se ter posicionado "200% contra" o casamento entre pessoas do mesmo sexo, sustentado a sua posição com passagens da Bíblia, e depois de o primeiro-ministro ter dito que este assunto não está na agenda política do Governo.

Odair Varela, especialista em comunicação e um dos participantes na iniciativa, defendeu a fiscalização da constitucionalidade de dois artigos do Código Civil, que é anterior à Constituição da República, considerando como "hipótese mais interessante" a intervenção do Provedor de Justiça.

"É preciso endereçar uma carta ao Provedor de Justiça a solicitar a promoção da verificação da constitucionalidade dessas normas. Não é fácil, mas é um caminho", disse.

Odair Varela defendeu que esta deve ser uma bandeira dos cabo-verdianos enquanto sociedade e não apenas da comunidade de Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgénero (LGBT), que, segundo disse, não está organizada.

Para o sociólogo Adilson Semedo, apesar de Cabo Verde ser estruturalmente um Estado secular, a sociedade não o é e vive uma moral "muito fundamentada na religião", o que gera problemas de funcionamento.

Assinalando que não é a religião que regula o funcionamento do Estado, mas a Constituição, considerou que esta é "uma questão de direito que não está na agenda política apenas por motivos eleitoralistas".

O professor da Universidade Pública de Cabo Verde (UNICV) lembrou que o país ratificou as principais convenções internacionais sobre esta matéria, o que considerou uma "incongruência clara" a "forma hipócrita" como a classe política tem tratado o assunto.

Outro dos participantes, o deputado da Oposição (PAICV) e jurista Clóvis Silva sustentou que o que está em causa "é o cumprimento da Constituição" e lembrou que Cabo Verde herdou o seu Código Civil de Portugal, onde o casamento entre pessoas do mesmo sexo já é permitido.

Atendendo a que o Código Civil em vigor é anterior à independência do país, o jurista entende que a aprovação da atual Constituição em 1992 deveria ter revogado automaticamente as normas que ditam que o casamento deve ser celebrado apenas entre pessoas de sexo diferente.

Ainda assim, admitiu que a classe política não "está em condições" de tomar a decisão de promover esta revisão legislativa por receio das consequências numa sociedade "muito religiosa".

Presente na plateia, a também jurista e ex-ministra da Administração Interna Marisa Morais sustentou que o tema tem que ser discutido "com base na Constituição que diz que "todos têm direito a contrair casamento".

A socióloga Eurídice Monteiro, por seu lado, denunciou a falta de envolvimento neste debate de organizações como a Comissão Nacional de Direitos Humanos e Cidadania (CNDHC) e do Instituto Cabo-Verdiano de Igualdade e Equidade de Género (ICIEG), sustentando que tem que ser a sociedade civil a abraçar esta causa.

Durante o debate foi ainda levantada a possibilidade de realização de um referendo sobre o tema, o que suscitou a oposição generalizada dos participantes.

A organização convidou para o debate além do próprio deputado Miguel Monteiro, que não marcou presença, representantes religiosos e de outras organizações públicas e privadas.

Ausente esteve também Anita Barros, presidente da Associação Gay de Cabo Verde, que tinha sido anunciada como um dos oradores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.