Cante alentejano faz parte da ópera "Soror Mariana Alcoforado" que estreia sexta-feira

O cante alentejano é, pela primeira vez, incluído numa ópera, "Soror Mariana Alcoforado", de Amílcar Vasques-Dias, que se estreia na sexta-feira, no Convento dos Capuchos, nos arredores de Almada.

A ópera "Soror Mariana Alcoforado", sob a direção musical do maestro Brian MacKay, é protagonizada pela soprano Natasa Sibalic, e conta com a participação do cantador Pedro Calado, "sendo certamente a primeira vez que uma ópera inclui cante alentejano", disse à agência Lusa o violinista Luís Pacheco Cunha, do Quarteto Lopes-Graça, que faz parte do ensemble de dez músicos que acompanha a ópera, que volta à cena no sábado.

"Soror Mariana Alcoforado" conta com um coro de trinta vozes, que se desdobra em diferentes personagens coletivas - as noviças, os camponeses -, adiantou à Lusa o violinista.

A ópera tem libreto de Helena Nóbrega e é baseada n'"As Cartas de Uma Freira Portuguesa -- história de uma freira que se apaixonou por um oficial francês, Noël Bouton, Marquês de Chamilly", publicadas em 1669, e que supostamente revelam um enleio amoroso, durante as Guerras da Restauração (1640-1668), entre uma freira do Convento de N. S. da Conceição, em Beja, e um militar francês.

Segundo comunicado da Câmara de Almada, a apresentação da ópera insere-se num "programa participativo, construído segundo um formato de residência artística, durante os primeiros seis meses de 2017, no Convento dos Capuchos, com o objetivo de apresentar um espetáculo original e em estreia absoluta nos espaços" do monumento.

"Além dos profissionais, participam pessoas sem qualquer experiência artística que, depois de um intenso trabalho de seis meses, fazem parte do elenco de uma ópera, um projeto, que conta com a participação de alunos e professores de escolas de Almada na criação de adereços, cenários e figurinos, na gestão de públicos, no apoio às tarefas de direção de cena, na conceção de uma exposição, na edição de um vídeo sobre o 'making of', e na criação de um documentário sobre a construção desta ópera", afirma a edilidade almadense.

As cartas foram publicadas sob anonimado da freira, que mais tarde foi identificada como sendo Mariana Alcoforado (1640-1723), filha de Francisco da Cunha Alcoforado.

Estas cartas foram alvo de várias especulações, tendo alguns eruditos considerado que foram forjadas e, outros, uma tradução francesa de cartas autênticas, de origem portuguesa.

Foram também mote de vários projetos culturais, designadamente um filme do realizador Bruno François-Boucher, "Les Lettres Portugaises" (2016), e de uma série na RTP, em 1977, realizada por Herlander Peyroteo.

O romance epistolar inspirou também o livro "As Novas Cartas Portuguesas", de autoria de Maria Teresa Horta, Maria Isabel Barreno e Maria Velho da Costa, publicado em 1972.

Para a Câmara de Almada, "'As Cartas...' e 'As Novas Cartas...' são expressões qualificadas de mulheres que, vivendo no seu tempo, dele não se alheiam e identificam-se com os problemas, assumindo a sua condição feminina sem medos nem recuos".

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?