Campus de Inovação de Oliveira do Hospital com grande crescimento após prémio europeu

O presidente da BLC3 considerou hoje que o prémio RegioStars, atribuído no ano passado pela Comissão Europeia, teve um impacto tão positivo que provocou uma 'crise' de crescimento no Campus de Tecnologia e Inovação, de Oliveira de Hospital.

O projeto "Centro BIO: Bioindústrias, Biorrefinarias e Bioprodutos", da BLC3 - Campus de Tecnologia e Inovação, de Oliveira de Hospital, arrecadou no ano passado o prémio RegioStars da Comissão Europeia, na categoria de Crescimento Sustentável: Economia Circular.

Em declarações à agência Lusa, João Nunes explicou que este prémio de reconhecimento europeu, um verdadeiro 'óscar' em inovação, acabou por dar um grande 'empurrão' no crescimento e reconhecimento do Campus de Tecnologia e Inovação, situado em Oliveira de Hospital.

"Levou-nos a uma 'crise' de crescimento e falta de capacidade de resposta, o que fez com que tivéssemos de aumentar os recursos humanos. Aumentámos os recursos humanos em 15%, tendo passado de 30 para 35 e, neste momento, temos quatro doutorados, seis em doutoramento e os restantes quase todos com nível mestrado", informou.

O impulso do 'óscar' da inovação atribuído pela Comissão Europeia proporcionou ainda a abertura de caminho para a ligação a empresas e fez com que a BLC3 começasse a ser chamada para o envolvimento e apoio à decisão de projetos importantes, por parte da Comissão de Coordenação, Fundação Ciência e Tecnologia, GGPQ (Desafio Societal n2 do fundos Europeus do H2020) e Ministério da Ciência.

Surgiram também convites de integração em cinco projetos internacionais, quatro nacionais e para a coordenação de 10 projetos de investigação e inovação muito ligados à economia circular e bioeconomia.

"Ainda montámos um grande projeto mobilizador em economia circular, com mais de 160 pessoas de investigação e inovação nacional, de um conjunto de 14 universidades e Centros I&I e 14 empresas", acrescentou.

O presidente da BLC3 evidenciou que muitas pessoas duvidavam do sucesso do projeto, o que fez com que tivessem recebido imensas visitas e pedidos para ver a tecnologia de produção de biopetróleo através de matos e incultos e resíduos agroflorestais.

Um ano depois do prémio RegioStars, a BLC3 voltou a Bruxelas para participar na Semana Europeia das Regiões e das Cidades, que termina hoje, com o intuito de partilhar experiências deste exemplo de aplicação de fundos europeus.

"O Piloto de produção de biopetróleo está a funcionar e é possível demonstrar que podemos converter matos e incultos e resíduos florestais, que estão na génese de um dos grandes problemas dos incêndios florestais, em biopetróleo, um petróleo verde, que é um substituto do petróleo normal. É possível, isso faz-se na região interior em Portugal, com tecnologia nacional e não estamos dependentes do estrangeiro", descreveu.

Agora, o passo seguinte é o da evolução para a demonstração industrial, que irá permitir ter argumentos e capacidade para atrair investidores e acelerar o processo de industrialização do projeto.

"Queremos avançar com a produção industrial do biopetróleo num processo bem mais acelerado. Estamos a falar de um investimento de 120 milhões de euros para criar os primeiros quatro territórios com autonomia energética e depois fazer a replicação pelo território e até a nível internacional", avançou.

A presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC), Ana Abrunhosa, congratulou-se com a evolução do projeto BLC3 ao longo deste último ano, admitindo que esta tinha sido uma aposta de alto risco.

"Estamos a falar de um investimento ainda elevado e que ainda tem de continuar a ser feito, cujos resultados eram incertos, mas acho que cumprimos o que é também o papel dos fundos comunitários: partilharmos os riscos de projetos que são muito inovadores e, por isso mesmo, de elevado risco", considerou.

Esta revelou-se "uma aposta certa", pois o que "o que era um projeto-piloto demonstrou que era possível produzir biodiesel a partir dos matos".

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."