Câmara de Vila Franca de Xira diz que Banco Popular quer reabrir o Vila Franca Centro

O Banco Popular, que adquiriu parte dos lotes onde funcionava o Vila Franca Centro, pretende reabrir aquele centro comercial, adiantou hoje à agência Lusa o presidente da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira, Alberto Mesquita.

O Vila Franca Centro, situado na cidade de Vila Franca de Xira (distrito de Lisboa), foi inaugurado em 1994, mas fechou portas a 31 de outubro de 2013 por falta de condições financeiras.

Na sexta-feira, os imóveis que albergavam este centro comercial estiveram em leilão, em Lisboa, sendo constituído por 112 frações, duas salas de cinema, uma sala de grandes dimensões, lojas e arrecadações e uma casa devoluta para habitação, por um valor global de dois milhões e meio de euros.

Nesse dia, fonte ligada ao processo adiantou à agência Lusa que parte dos lotes foi licitada por representantes do Banco Popular, escusando-se a dar mais pormenores.

Contactada pela Lusa, fonte do Banco Popular não quis confirmar esta compra.

No entanto, em declarações esta tarde à Lusa, o presidente da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira, Alberto Mesquita (PS), confirmou o negócio e referiu que existe a intenção de vir a reabrir o centro comercial.

"O Banco Popular mostrou-se muito interessado em rentabilizar aquilo que está na sua posse. Pelos sinais que me foram transmitidos vejo que existem dinâmicas interessantes para a sua reabertura", apontou o autarca.

Alberto Mesquita ressalvou que para que haja uma reabertura do centro comercial terão de ser ultrapassadas questões burocráticas e judiciais, nomeadamente a aquisição das lojas, que pertencem a privados.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.