Câmara de Loures vai realojar 23 famílias do bairro da Torre

A Câmara de Loures vai realojar, até ao início de fevereiro, 23 das 67 famílias que habitam em condições precárias no bairro da Torre, anunciou hoje a autarquia, ressalvando que os restantes casos terão de ser resolvidos pela tutela.

No bairro da Torre, situado na localidade de Camarate, concelho de Loures (distrito de Lisboa), residem 67 famílias, cerca de 250 pessoas, em habitações precárias e sem luz elétrica há mais de um ano.

A situação social vivida neste bairro de Loures motivou a que fosse aprovada no Parlamento uma recomendação ao Governo para que "adote com urgência, as medidas adequadas a assegurar a prestação do serviço público de eletricidade aos habitantes dos bairros e núcleos de habitações precárias".

O projeto de resolução, aprovado por unanimidade, em junho do ano passado ressalva que estas medidas deverão ser tomadas "enquanto não são implementadas soluções de realojamento condignas, no quadro de programas que prossigam esse objetivo".

Entretanto, esta manhã, em declarações à agência Lusa, a vereadora com o pelouro da Habitação na Câmara Municipal de Loures, Maria Eugénia Coelho, explicou que a autarquia tem estado a proceder ao realojamento de algumas famílias do bairro e à demolição das respetivas barracas, onde habitavam.

A vereadora referiu que a autarquia vai proceder, até ao início de fevereiro, ao realojamento de 23 agregados familiares, em fogos municipais, mas alertou que, para as restantes 44 famílias, terá de ser a tutela, através do Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana (IHRU), a encontrar uma solução.

"Tem sido feito um grande esforço por parte do município para ir resolvendo, pouco a pouco, a situação dramática em que vivem aquelas famílias. Vamos proceder até fevereiro ao realojamento de um terço das famílias, mas mais não está ao nosso alcance", apontou.

Maria Eugénia Coelho sublinhou que, "enquanto não chegar uma solução definitiva para as famílias", a autarquia vai procurando, junto de várias entidades, encontrar "soluções provisórias".

"Temos estado em contacto com a EDP e com a Associação de Moradores no sentido de encontrar uma solução para a energia elétrica e estamos a estudar também a possibilidade de instalarmos uns balneários", referiu.

No entanto, a autarca ressalvou que a solução definitiva deverá ser sempre o realojamento das restantes famílias e a erradicação das habitações precárias, "dando cumprimento à recomendação que foi aprovada pela Assembleia da República".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

nuno camarneiro

Males por bem

Em 2012 uma tempestade atingiu Portugal, eu, que morava na praia da Barra, fiquei sem luz nem água e durante dois dias acompanhei o senhor Clemente (reformado, anjo-da-guarda e dançarino de salão) fixando telhados com sacos de areia, trancando janelas de apartamentos de férias e prendendo os contentores para que não abalroassem automóveis na via pública. Há dois anos, o prédio onde moro sofreu um entupimento do sistema de saneamento e pude assistir ao inferno sético que lentamente me invadiu o pátio e os pesadelos. Os moradores vieram em meu socorro e em pouco tempo (e muito dinheiro) lá conseguimos que um piquete de canalizadores nos exorcizasse de todo mal.