Câmara de Lisboa quer distinguir mais 48 estabelecimentos enquanto "Lojas com História"

A Câmara Municipal de Lisboa vai apreciar na sexta-feira, em reunião privada do executivo, submeter a consulta pública por um período de 20 dias a proposta de distinção de 48 estabelecimentos com o selo "Lojas com História".

A proposta, à qual a agência Lusa teve acesso, refere que compete ao grupo de trabalho constituído para o efeito a apreciação das candidaturas a esta distinção.

Depois de uma "visita ao local, entrevista ao proponente e promoção da junção dos elementos adicionais que considerar pertinentes", este grupo "elabora a informação conjunta, com proposta de atribuição ou de não atribuição da distinção, com fundamento na demonstração da pontuação obtida face aos critérios estabelecidos, consoante a loja manifeste ou não potencial para ser distinguida".

A proposta aponta que a 18 de dezembro foi submetido à apreciação do grupo de trabalho um conjunto de 48 lojas para serem distinguidas, tendo o grupo decidido que todos estes estabelecimentos reúnem "os requisitos para atribuição da distinção".

Da lista constam nomes como a Companhia Nacional de Música, a Pastelaria Suíça, a Garrafeira Nacional, a Papelaria Fernandes ou o restaurante Vá-vá.

O documento -- assinado pelo vice-presidente, Duarte Cordeiro, e pelos vereadores do Urbanismo (Manuel Salgado) e da Cultura (Catarina Vaz Pinto) - observa também que foram ouvidas as Juntas de Freguesia onde estão localizados os estabelecimentos, e que "recolhidas as participações não se registam pronúncias desfavoráveis ou quaisquer condicionantes ao reconhecimento".

"Assim, encontram-se reunidas as condições para submeter a consulta pública as propostas de reconhecimento", continua o texto, que acrescenta que "após o decurso do prazo de consulta pública, o qual decorrerá por um período de 20 dias úteis, será elaborado relatório, ponderando-se todas as participações recebidas, submetendo-se a deliberação da Câmara Municipal a aprovação definitiva da atribuição das distinções".

No encontro, a vereação de maioria socialista irá debruçar-se também sobre a transferência de 40 mil euros para o Patriarcado de Lisboa, destinados "à requalificação da sala de exposições temporárias do Mosteiro de São Vicente de Fora", através de um protocolo celebrado entre as duas partes.

A proposta da autoria da vereadora da Cultura elenca que "o Mosteiro de São Vicente de Fora é um dos mais importantes exemplares da arquitetura maneirista em Lisboa pela sua imponente implantação, autoria da traça arquitetónica, escala e dimensões incomparáveis, dignidade dos espaços interiores e da história associada aos mesmos".

O texto elenca que o mosteiro é "composto pela Igreja de São Vicente de Fora, classificada como Monumento Nacional em 1910, e pelo Paço de S. Vicente, classificado como Imóvel de Interesse Público em 1944, sendo tutelado pelo Patriarcado de Lisboa", e "dispõe de diversas áreas visitáveis".

A requalificação do núcleo museológico "visa criar um percurso museológico que contemple a visita e a interpretação de todo o antigo espaço monástico", constituindo um projeto que "tem estado a ser concretizado de forma faseada".

Para a "sala de exposições temporárias do 2.º piso está projetada a requalificação de todo o espaço expositivo e a sua adequação a vários tipos de utilização", acrescenta a proposta.

A Câmara de Lisboa advoga que este projeto "contribuirá para a diversificação da oferta cultural em Lisboa e dará um novo contexto a um acervo museológico de inestimável valor patrimonial, permitindo a sua fruição pelos lisboetas e pelos que visitam a cidade".

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.