BE diz que "contas certas não é um défice zero" para lançar campanhas eleitorais

A coordenadora do BE defendeu hoje que "contas certas não é um défice zero" para lançar o PS nas eleições e o ministro das Finanças "nas suas ambições europeias", acusando o Governo de irresponsabilidade quando recuou em investimentos necessários.

No discurso de encerramento do Fórum Socialismo 2018, a 'rentrée' bloquista que decorreu em Leiria, Catarina Martins garantiu que, "para o BE, contas certas são essenciais", mas não podem passar por "um défice zero, para Bruxelas ver, quando falta o essencial na CP ou no Serviço Nacional de Saúde".

A líder do BE considerou que o Governo "nem sempre esteve à altura da sua responsabilidade" e chegou mesmo a ser "irresponsável de cada vez que virou as costas a uma emergência social", "deixou na gaveta uma despesa necessária" ou "deixou que o investimento público caísse para mínimos históricos".

"E o mais grave é que a razão para esses recuos não foi a limitação de recursos. Sabem porque recuou o PS? Para poder garantir um 'outdoor' de campanha eleitoral que diga, para dentro e para fora, 'conseguimos o défice zero'. Um outdoor que lance o PS nas eleições nacionais e Mário Centeno nas suas ambições europeias", criticou.

Catarina Martins recusa assim "o endeusamento do défice zero", que diz ser "a validação da retórica da direita 'austeritária' que não foi nem será solução para o país".

"Disfarçar o défice das contas aumentando o défice social e depauperando serviços públicos, destruindo a capacidade do Estado de responder às populações, é irresponsável", criticou.

Responsabilidade, na opinião da líder bloquista, teve o BE ao "apresentar soluções para problemas, responder às urgências das pessoas e ir até ao fim".

"Ao contributo decisivo do Bloco de Esquerda se devem muitas das medidas que fazem hoje parte da nossa vida e que o Governo, em boa hora, assumiu e adotou", sublinhou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.