Avança projeto de eletrificação da linha do Douro até à Régua

A Infraestruturas de Portugal (IP) lançou o concurso público para o estudo prévio e projeto de execução da eletrificação da linha ferroviária do Douro, no troço Marco-Régua, pelo preço base de 1,5 milhões de euros.

Fonte da IP informou hoje que a eletrificação do troço entre Marco de Canaveses e Régua envolve um investimento global estimado em 46,6 milhões de euros e que a sua execução complementa a intervenção atualmente em curso na linha do Douro, de modernização do troço entre Caide e Marco de Canaveses que estará concluída até final deste ano.

Segundo a fonte, foi agora lançado o concurso para a contratação do estudo prévio, estudo de impacte ambiental, projeto de execução para a eletrificação do troço da linha do Douro, entre as estações de Marco de Canaveses e de Peso da Régua.

Este concurso tem um preço base de cerca 1,5 milhões de euros e, de momento, está a decorrer fase de consulta e fornecimento das peças do concurso.

O projeto de modernização da linha do Douro integra o plano nacional de investimentos Ferrovia 2020, que a IP está a desenvolver.

Segundo a fonte, o investimento na modernização da linha do Douro tem como "principais objetivos assegurar a tração elétrica do serviço regional, prolongar a prestação do serviço urbano até Peso da Régua e garantir a melhoria da qualidade e segurança do serviço ferroviário ao dispor das populações".

A eletrificação da linha do Douro, pelo menos até à Régua, é uma reivindicação antiga do Douro e assumida também pelas operadoras especializadas em cruzeiros de um dia e que utilizam o comboio como meio de transporte complementar ao barco.

Em janeiro, na Régua, o ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques renovou o compromisso assumido por este Governo PS de prolongar a eletrificação da linha do Douro até ao Peso da Régua.

Esta eletrificação estava apenas prevista até ao Marco de Canavezes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...