Autárquicas/Resultados Carla Tavares (PS) repete vitória na Amadora

A socialista Carla Tavares conseguiu reforçar a votação que tinha das anteriores autárquicas, nas eleições de domingo, mas manteve a maioria absoluta e os mesmos sete lugares na vereação, segundo dados do Ministério da Administração Interna.

Carla Tavares recandidatou-se e venceu, após ter sucedido a Joaquim Raposo, de quem foi vice-presidente, para continuar o trabalho iniciado pelo autarca do PS em 1997, quando terminou com 18 anos de governação comunista.

É o seguinte o resultado oficial do escrutínio para o concelho de Amadora:

Freguesias apuradas: 6 Freguesias por apurar: 0 Mandatos atribuídos: 11 Mandatos por atribuir: 0 Lista %Votos Mand. Pres. Maiorias Abs. PS 47.97% 7 1 1 PPD/PSD.CDS-PP 18.09% 2 0 0 PCP-PEV 12.22% 1 0 0 B.E. 6.94% 1 0 0 PAN 3.23% 0 0 0 MIPA 2.65% 0 0 0 PCTP/MRPP 1.75% 0 0 0 NC 1.06% 0 0 0 PTP 0.26% 0 0 0 Outros dados das eleições Autárquicas 2017: Inscritos: 145837 % Votos brancos: 3.48% % Votos nulos: 2.35% % Votantes: 42.66% % Abstenção: 57.34%

Fontes:

LUSA

SGAI - AE - Secretaria - Geral do Ministério da Administração Interna - Administração Eleitoral

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...