Autárquicas: Coligação Nova Mudança diz que poderá ser "uma surpresa" no Funchal

O candidato da coligação Nova Mudança (MPT/PPV/CDC) à Câmara do Funchal, Roberto Vieira, afirmou hoje que esta força política poderá ser "uma surpresa" nas eleições autárquicas de domingo.

"É evidente que na hora de votar, às vezes, as pessoas têm dificuldade em mudar uma intenção de voto que já vem de longa data, mas nós acreditamos que essa mudança é possível, a Nova Mudança é possível, e poderemos ser uma surpresa, quer no Funchal quer fora dele", disse o cabeça de lista, no decurso de uma ação de campanha em frente à Câmara Municipal.

O MPT é um dos partidos que integra a Coligação Mudança, juntamente com o PS, BE, PTP e PAN, que lidera a autarquia desde 2013, mas agora desvinculou-se e formou uma nova coligação.

Ao nível regional, o MPT concorre com listas próprias em seis dos onze concelhos que constituem a Região Autónoma da Madeira.

"Nós trabalhámos todos os dias em vários pontos da cidade e eu, enquanto presidente do partido, tive de ir a todos os concelhos onde concorremos", realçou Roberto Vieira, vincando que a campanha eleitoral foi feita porta a porta.

"A recetividade é muito grande e temos alguma esperança de crescer aqui na cidade, bem como nos concelhos onde vamos concorrer", disse.

Hoje, o MPT defendeu a criação de um gabinete jurídico na Câmara do Funchal para dar apoio aos trabalhadores precários, sobretudo aos que têm salários em atraso, e aos desempregados, bem como aos munícipes que pagaram rendas e alugueres de casa sem recibo.

"Os sindicatos estão um pouco partidarizados e muitas vezes não fazem esse trabalho, porque as pessoas não se sindicalizam, tendo em conta que 1% do salário faz falta, sobretudo para quem não recebe", disse Roberto Vieira.

São candidatos à presidência da Câmara Municipal do Funchal, na Madeira, Rubina Leal (PSD), Rui Barreto (CDS-PP), Artur Andrade (Coligação Democrática Unitária - PCP/PEV), Paulo Cafôfo (coligação Confiança - PS/BE/JPP/PDR/Nós, Cidadãos!), Gil Canha (coligação Funchal Forte - PPM/PURP), Raquel Coelho (PTP), Jorge Santos (PCTP/MRPP) e Roberto Vieira (coligação Nova Mudança - MPT/PPV/CDC).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.