Autárquicas: Coligação Confiança no Funchal destaca programa "inovador" centrado nas pessoas

O cabeça de lista da coligação Confiança (PS/BE/JPP/PDR/Nós, Cidadãos!) à Câmara do Funchal, Paulo Cafôfo, atual presidente da autarquia, disse hoje que o programa da sua candidatura é composto por "ideias inovadoras" e está centrado nas pessoas.

"Queremos desenvolver uma agenda com ideias inovadoras, que possam fazer a diferença na vida real das pessoas, sempre com rigor na gestão da autarquia, mas também com abertura e responsabilidade democrática, respeitando os munícipes e as forças partidárias da oposição", afirmou o candidato, durante uma apresentação do programa eleitoral, na sede de campanha.

Paulo Cafôfo vincou que o objetivo é "consolidar o projeto" que começou em 2013, quando a coligação, então nomeada Mudança e formada por PS, BE, PTP, MPT, PDN e PAN, derrotou o PSD após quase quatro décadas de governo ininterrupto no concelho do Funchal, o mais populoso e mais importante da Região Autónoma da Madeira.

"O nosso projeto tem uma nova forma de fazer política, centrada nas pessoas e na cidadania", disse.

Paulo Cafôfo disse que pretende continuar o programa de retirada do amianto dos bairros sociais e, por outro lado, recordou os investimentos de 15 milhões de euros previstos para projetos de reabilitação de imóveis no centro da cidade, bem como planos de arrendamento de casas a custos controlados para jovens.

Nas zonas altas do concelho, o candidato prometeu continuar a abertura de novas acessibilidades, a criação de estacionamentos e de redes de saneamento básico, lembrando que só este ano a autarquia investiu sete milhões de euros nestas áreas.

Ao nível da educação, assegurou que vai prosseguir a política de atribuição de manuais escolares para o primeiro ciclo, medida que será estendida ao 9.º ano, e também a atribuição de bolsas de estudo para o ensino superior.

"A nossa estratégia foi, em primeiro lugar, arrumar a casa. Tínhamos uma câmara em falência e aquilo que fizemos foi credibilizar a autarquia, arrumando a casa para podermos investir", sublinhou.

"Só este ano já investimos 1,5 milhões de euros em programas sociais, que ajudam diretamente quem necessita. Isto é investir e foi feito à base da redução de impostos, pois devolvemos 10 milhões de euros em IMI e IRS [impostos sobre imóveis e rendimentos singulares] aos munícipes", acrescentou.

São candidatos ao Funchal Rubina Leal (PSD), Rui Barreto (CDS-PP), Artur Andrade (CDU), o atual presidente, Paulo Cafôfo (PS/BE/JPP/PDR/Nós, Cidadãos!), Gil Canha (PPM/PURP), Raquel Coelho (PTP), Jorge Santos (PCTP/MRPP) e Roberto Vieira (MPT/PPV-CDC).

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz amanhã, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.