Autárquicas: CDS candidata deputada Ilda Araújo Novo à Câmara de Viana do Castelo

A deputada do CDS Ilda Araújo Novo é a candidata do partido à presidência da Câmara de Viana do Castelo nas eleições autárquicas de 01 de outubro, anunciou hoje a comissão política concelhia.

Em comunicado, aquela estrutura partidária, que é também presidida desde julho de 2016 por Ilda Araújo Novo, adiantou que a candidatura tem como mote "A Nossa Viana".

Ilda Araújo Novo tem 59 anos de idade, é natural e reside em Viana do Castelo. Licenciada em Filologia Germânica pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, foi vereadora da Câmara de Viana do Castelo entre 2001 e 2005. Nas eleições autárquicas desse ano foi a cabeça de lista do partido à autarquia da capital do Alto Minho.

É professora do ensino secundário, exercendo desde há mais de 20 anos funções na Escola Secundária de Monserrate, em Viana do Castelo.

Desde de setembro de 2016, substitui Abel Baptista no cargo de deputado eleito pelo distrito de Viana do Castelo.

No início do mês, a comissão política concelhia do CDS-PP anunciou que vai concorrer com listas próprias à Câmara de Viana do Castelo, acusando o PSD de "não honrar" o acordo de coligação que tinha celebrado em janeiro passado.

Na altura, em nota enviada à Lusa, o CDS-PP destacou que "concorrerá, honradamente, às próximas eleições autárquicas" e que "procurará fazer o melhor que souber em benefício das pessoas, em benefício de Viana do Castelo".

"Pretendemos um concelho mais amigo dos seus, mais próspero, mais laborioso, com maior riqueza para redistribuir por todos", sustentou aquela estrutura partidária.

A concelhia do CDS-PP acusou "uma fação do PSD de Viana do Castelo, personificada na sua estrutura distrital, de ter decidido, de forma unilateral, não ratificar o acordo de coligação firmado entre os dois partidos".

Em junho, numa reunião da comissão política distrital alargada do PSD, e por votação secreta, não foi ratificado o acordo de coligação que a concelhia do partido havia celebrado em janeiro passado com o CDS-PP e que previa a candidatura de Eduardo Teixeira à Câmara de Viana do Castelo. Naquela reunião foi ainda decidida, também por votação secreta, a avocação do processo autárquico do concelho de Viana do Castelo.

Em abril, a concelhia do PSD de Viana retirou a proposta de candidatura do ex-deputado do PSD Eduardo Teixeira à Câmara de Viana do Castelo. Na altura, a decisão da concelhia foi justificada com a "inércia" e a "luta interna promovida pela distrital" do partido contra a candidatura de Eduardo Teixeira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.