Associações de defesa das mulheres e crianças contra imposição de residência alternada em caso de divórcio

Dezassete associações de defesa dos direitos das vítimas, das mulheres e das crianças pediram ao parlamento que não imponha a residência alternada para as crianças filhas de pais separados e mantenha o regime atual com liberdade de escolha.

A Assembleia da República prepara-se para discutir em plenário uma petição, com mais de quatro mil assinaturas, entregue pela Associação Portuguesa para a Igualdade Parental e Direitos dos Filhos (APIPDF), a favor da presunção jurídica da residência alternada com o argumento de que isso vai permitir uma partilha mais igualitária do tempo da criança com os progenitores em caso de separação ou divórcio.

A petição foi entregue no mês passado e pede que o Código Civil seja alterado no sentido de a residência alternada para as crianças, no caso de separação dos pais, ser a regra e não a exceção, ou seja, que fique como regime preferencial e que só no caso de ser contrária aos interesses da criança é que o tribunal deve optar por outro plano.

Entretanto, 17 associações juntaram-se na elaboração de uma Carta Aberta que fizeram chegar a todos os partidos políticos com assento parlamentar a pedir que o Parlamento não imponha a residência alternada como regra, deixando às famílias a liberdade de escolha do modelo que melhor se adeque à sua realidade.

Em declarações à agência Lusa, a presidente da Dignidade -- Associação para os Direitos das Mulheres e Crianças defendeu que todas as associações signatárias da Carta Aberta são "realmente a favor de uma verdadeira igualdade parental, em termos de direitos e de responsabilidades de pai e mãe", mas que as move o risco de uma alteração legislativa.

"Nós temos neste momento legislação que já permite a residência alternada e é nossa opinião também que desde que um casal chegue a acordo, não deverá haver motivo nenhum que impeça que seja declarada a residência alternada", apontou Paula Sequeira.

A responsável explicou que definir presunção jurídica para a residência alternada significaria que este passaria a ser o regime a atribuir à partida, no caso da regulação do poder paternal em situações de separação ou divórcio, o que seria "um risco enorme" num país "onde morrem 30 mulheres por ano, em média", vítimas de violência doméstica.

Paula Sequeira sublinhou que, em Portugal, "os processos funcionam a dois ritmos", havendo, por um lado, os processos de responsabilidade parental e, por outro, o processo crime no caso de violência doméstica ou abuso sexual contra crianças.

"Definir à partida uma residência alternada é por em risco mulheres e crianças porque o processo crime é um processo lento, é um processo de difícil prova e iríamos exponenciar o risco para as mulheres e para as crianças", defendeu.

"A maioria das situações graves acontecem pós separação e a maior parte dos homicídios acontece no momento em que a mulher decide sair da relação de violência", acrescentou.

A presidente da Dignidade disse que as várias associações entendem, por isso, que o Tribunal de Família e Menores "não pode achar que a relação de parentalidade é completamente distinta da relação de violência que existia".

Por outro lado, defendem que as famílias devem ser livres de escolher o modelo de guarda e residência que melhor se aplica à sua realidade e que o divórcio ou a separação "não podem ser um mecanismo para se retirarem liberdades e direitos garantidos há décadas".

A carta aberta junta a Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV), Associação Portuguesa de Mulheres Juristas, Associação de Mulheres Contra a Violência, União de Mulheres Alternativa e Resposta, Associação Capazes, Dignidade, Associação Projecto Criar, Associação de Apoio a Homens Vítimas de Abuso Sexual, Associação e Movimento de Alerta à Retirada de Crianças e Adolescentes, Associação Ser Mulher.

São também subscritoras a Associação Soroptimist Internacional Clube Porto Invicta, Associação Mulheres sem Fronteiras, Plataforma Portuguesa para os Direitos das Mulheres, Associação de Estudos, Cooperação e Desenvolvimento, Associação de Mulheres de São Tomé e Príncipe em Portugal, CooLabora e Fundação Cuidar o Futuro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.