Associações criam movimento que apela para a importância da vacinação

Várias associações uniram-se e criaram o Movimento Doentes pela Vacinação, lançado hoje, que pretende sensibilizar a população, profissionais de saúde e governantes para a importância da vacinação contra a pneumonia na idade adulta.

Lançado no âmbito da Semana Europeia da Vacinação (24 a 26 de abril, que tem como tema 'Vaccines work' (as vacinas funcionam), o movimento diz, em comunicado, ter como objetivo "derrubar as barreiras que existem à vacinação na idade adulta, transformando a informação disponível em consciência".

"Conscientes de que o acesso à informação é a base de uma boa prevenção, e de que, por falta de informação, ou de prescrição, ainda são poucos os adultos vacinados", a Respira, a Fundação Portuguesa do Pulmão e o Grupo de Estudos de Doenças Respiratórias da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar (GRESP) decidiram juntar-se e criar o Movimento Doentes pela Vacinação.

Para o movimento, a vacinação antipneumocócica é "um direito fundamental", lamentando que "ainda estejam tantos por vacinar por falta de informação".

"Mais do que o acesso económico, o principal entrave à vacinação antipneumocócica é a falta de conhecimento", sublinha o Movimento Doentes pela Vacinação, que espera vir a agregar outras associações, sociedades científicas e população em geral, com o objetivo comum de "alertar, informar e orientar todos os interessados sobre o tema".

Uma das missões do movimento é lançar uma campanha de sensibilização junto de Juntas de Freguesia, Centros de Dia, Lares e outros locais frequentados por doentes de risco.

"É necessário dotar a população e os profissionais de saúde de consciência sobre o problema, e para isso, nada como ir ao seu encontro", afirma a vice-presidente da Respira e fundadora do movimento, Isabel Saraiva.

O objetivo, explica Isabel Saraiva, é "consciencializar estas pessoas dos riscos que correm", um "risco desnecessário porque, felizmente, há prevenção".

"No fundo, queremos que ponham a vacinação na equação, explicar que a vacinação é um direito e que a partilha de informação sobre recomendações, aconselhamento e direitos, é uma obrigação dos profissionais de saúde", sublinha no comunicado.

O Movimento Doentes pela Vacinação cita um estudo recente, segundo o qual nove em cada dez adultos com mais de 50 anos não estão vacinados contra a pneumonia, uma doença que mata.

Segundo o mesmo estudo, a falta de indicação médica é a principal razão para que estes adultos ainda não estejam imunizados, apesar de existir, desde 2015, uma Norma da Direção-Geral da Saúde que recomenda a vacinação de grupos de adultos com risco acrescido de contrair doença invasiva pneumocócica (DIP).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.