Associação de Vale Chícharos rejeita participação em protesto na Câmara do Seixal

A Associação para o Desenvolvimento Social de Vale Chícharos, no Seixal, garantiu hoje que os moradores do bairro Jamaica "não estão envolvidos e não vão participar" na manifestação de sexta-feira junto à autarquia local.

"Nem os moradores do bairro Jamaica nem a família Coxi estiveram envolvidos na convocatória nem na manifestação que ocorreu, em Lisboa, no passado dia 21 de janeiro. Não estamos, de igual modo, a organizar nenhuma manifestação para sexta-feira em frente à Câmara Municipal do Seixal e não iremos participar nas manifestações agendadas", refere o comunicado da associação enviado à agência Lusa.

Membros da família Coxi estiveram envolvidos nos incidentes entre os moradores e a polícia que ocorreram no domingo no bairro da Jamaica, no Seixal, que originaram uma intervenção da PSP, num caso que causou ferimentos em cinco civis e num agente.

"Tudo o que queremos de momento é retomar as nossas rotinas diárias e seguir em frente", acrescentou a associação no documento.

Algumas associações e moradores do bairro a título individual convocaram uma manifestação para sexta-feira, em frente à Câmara do Seixal, para protestar contra a "brutalidade policial" e por "habitações dignas", informou um membro do Coletivo Consciência Negra.

O Coletivo Consciência Negra, a SOS Racismo, a Plataforma Gueto, a FEMAFRO e a Afrolis -- Associação Cultural são algumas das organizações que estão a dinamizar este movimento.

Várias associações que estão solidárias com a população, na sequência do incidente que ocorreu em Vale de Chícharos, mais conhecido como bairro da Jamaica, estiveram reunidas com os moradores, onde foi decidido realizar um protesto na sexta-feira, em frente à Câmara do Seixal, pelas 16:00.

No domingo de manhã, a PSP foi chamada a Vale de Chícharos após ter sido alertada para "uma desordem entre duas mulheres", o que resultou no ferimento, sem gravidade, de cinco civis e de um agente.

Na sequência desta ocorrência, realizou-se uma manifestação em frente ao Ministério da Administração Interna, em Lisboa, que resultou em quatro detenções por apedrejamento aos agentes da PSP, incêndios a caixotes e viaturas, na zona de Loures e Odivelas, e lançamento de 'cocktails Molotov', em Setúbal, mas que a polícia, até ao momento, não relaciona.

Os incêndios em caixotes do lixo, ecopontos e também num autocarro continuaram na madrugada de hoje em vários locais, como Sintra ou Setúbal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.