Associação de Vale Chícharos rejeita participação em protesto na Câmara do Seixal

A Associação para o Desenvolvimento Social de Vale Chícharos, no Seixal, garantiu hoje que os moradores do bairro Jamaica "não estão envolvidos e não vão participar" na manifestação de sexta-feira junto à autarquia local.

"Nem os moradores do bairro Jamaica nem a família Coxi estiveram envolvidos na convocatória nem na manifestação que ocorreu, em Lisboa, no passado dia 21 de janeiro. Não estamos, de igual modo, a organizar nenhuma manifestação para sexta-feira em frente à Câmara Municipal do Seixal e não iremos participar nas manifestações agendadas", refere o comunicado da associação enviado à agência Lusa.

Membros da família Coxi estiveram envolvidos nos incidentes entre os moradores e a polícia que ocorreram no domingo no bairro da Jamaica, no Seixal, que originaram uma intervenção da PSP, num caso que causou ferimentos em cinco civis e num agente.

"Tudo o que queremos de momento é retomar as nossas rotinas diárias e seguir em frente", acrescentou a associação no documento.

Algumas associações e moradores do bairro a título individual convocaram uma manifestação para sexta-feira, em frente à Câmara do Seixal, para protestar contra a "brutalidade policial" e por "habitações dignas", informou um membro do Coletivo Consciência Negra.

O Coletivo Consciência Negra, a SOS Racismo, a Plataforma Gueto, a FEMAFRO e a Afrolis -- Associação Cultural são algumas das organizações que estão a dinamizar este movimento.

Várias associações que estão solidárias com a população, na sequência do incidente que ocorreu em Vale de Chícharos, mais conhecido como bairro da Jamaica, estiveram reunidas com os moradores, onde foi decidido realizar um protesto na sexta-feira, em frente à Câmara do Seixal, pelas 16:00.

No domingo de manhã, a PSP foi chamada a Vale de Chícharos após ter sido alertada para "uma desordem entre duas mulheres", o que resultou no ferimento, sem gravidade, de cinco civis e de um agente.

Na sequência desta ocorrência, realizou-se uma manifestação em frente ao Ministério da Administração Interna, em Lisboa, que resultou em quatro detenções por apedrejamento aos agentes da PSP, incêndios a caixotes e viaturas, na zona de Loures e Odivelas, e lançamento de 'cocktails Molotov', em Setúbal, mas que a polícia, até ao momento, não relaciona.

Os incêndios em caixotes do lixo, ecopontos e também num autocarro continuaram na madrugada de hoje em vários locais, como Sintra ou Setúbal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.