Assembleia Municipal de Lisboa debate alojamento local na terça-feira

Os deputados da Assembleia Municipal de Lisboa (AML) vão debater na sessão plenária de terça-feira o tema do alojamento local, a pedido do grupo municipal do PSD, que quer que a cidade seja ouvida sobre esta matéria.

Em declarações à agência Lusa, o líder da bancada dos sociais-democratas afirmou que, "porque para além de ser um tema de enorme atualidade naqueles que são os temas em discussão para a cidade, é também um assunto que está a ser avaliado na Assembleia da República".

O objetivo do PSD com este debate é que a "posição da Assembleia Municipal seja tida em conta" na discussão parlamentar que decorre na Assembleia da República, dado que esta é a "segunda assembleia do país".

"Não se sabe o que a cidade pensa sobre o assunto", salientou o deputado, que é também presidente da Junta de Freguesia da Estrela.

Assim, "o desafio que vamos propor é que haja uma posição conjunta" das várias forças políticas, uma vez que "esta é uma matéria da cidade, e não de partidos", considerou Luís Newton.

"Não queremos que esta seja uma matéria que crie fraturas, mas que crie consensos", advogou.

De acordo com a ordem de trabalhos da AML, constante no seu 'site', este debate de atualidade não contará com contributos externos e terá a duração de uma hora.

Questionado sobre esta opção, sem o contributo de especialistas, o deputado do PSD justificou que "havia a necessidade de agilizar" e por isso se optou "por um modelo simples" de discussão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.