Artistas vão reunir-se para criar proposta de modelo de aquisições de arte

Artistas que entregaram no ano passado uma carta reivindicativa ao primeiro-ministro, António Costa, vão reunir-se no sábado, em Lisboa, para iniciar um processo que "comprometa o Estado e garanta que serão feitas aquisições de obras de arte".

Contactado pela agência Lusa, Pedro Portugal, uma das vozes do movimento de 300 artistas que assinaram e entregaram a carta ao primeiro-ministro, indicou que o encontro está previsto decorrer no Titanic Sur Mer, às 15:00.

"Com este encontro damos seguimento ao que foi sugerido no encontro com o primeiro-ministro e o ministro da Cultura [Luís Filipe Castro Mendes] para que os artistas apresentassem um modelo para a Comissão de Aquisições de Arte Contemporânea 2019/29 do Ministério da Cultura", explicou o artista.

Na altura, António Costa anunciou a criação de um programa a dez anos para aquisição de obras de arte contemporânea, a ser contemplado na proposta de Orçamento do Estado para 2019, com uma dotação de 300 mil euros.

O primeiro-ministro disse que essa verba deveria ser aumentada nos anos seguintes para o apoio à produção de artistas portugueses contemporâneos, no âmbito de um programa de aquisição anual por parte do Estado.

"O Estado tem o papel de fomentar o gosto pela arte, que está a desaparecer, e promover aquisições, já que os museus e os privados, desde o período da crise e até ao momento, continuam a falhar nesta área", alertou.

A assembleia vai estar aberta a que todos os artistas plásticos interessados participem, para discutir e formular o modelo de funcionamento da primeira comissão de aquisições que será apresentado à ministra da Cultura, Graça Fonseca, e ao primeiro-ministro.

A carta entregue em outubro do ano passado no Palácio de São Bento alertava veementemente para "a situação disruptiva da arte contemporânea em Portugal, no mercado, crítica, galerias, coleções, instituições e museus".

"É muito importante que exista um acervo de arte contemporânea de artista vivos de várias gerações, e de todo o país nele representados, e que seja atualizado anualmente", defendeu o artista em declarações à Lusa.

Já na altura em que a carta foi entregue, António Costa tinha apelado à colaboração dos artistas plásticos para a constituição de uma comissão que, "de forma transparente", escolhesse as obras que o Estado venha a adquirir, de forma "democrática e plural".

Na altura, outro porta-vos do movimento, o artista plástico Manuel João Vieira, reconheceu que esta comissão vai ser "um bico d'obra", até porque os "artistas são fechados em si e desorganizados", mas acreditava que se iria "chegar a bom porto".

Na carta entregue, os artistas portugueses reivindicaram também, entre outras medidas, a criação de "a criação de uma agência para a arte contemporânea, separada da DGArtes [Direção-Geral das Artes], e urgentes alterações fiscais".

Exclusivos

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.