Arquipélagos da Macaronésia integram grupo de conservação de plantas endémicas

Especialistas dos Açores, Cabo Verde, Canárias e Madeira integram um grupo da IUCN (sigla em inglês para a União Internacional para a Conservação da Natureza), especializado em plantas endémicas dos quatro arquipélagos.

As ilhas da Macaronésia são uma das 36 regiões classificadas como 'hotspot' da biodiversidade, devido à "enorme diversidade de plantas endémicas", mas também por terem "perdido pelo menos 70% da sua biodiversidade inicial", explica a nota de imprensa enviada pelo CIBIO, o centro de investigação em biodiversidade e recursos genéticos da Universidade dos Açores, que integra o grupo da IUCN.

A biodiversidade das regiões "encontra-se muito ameaçada, sendo uma urgente prioridade a nível mundial envidar todos os esforços para que tal riqueza não desapareça".

A criação deste grupo prevê "várias ações-chave que incluem, entre outras, a primordial tarefa de criação e atualização para a lista vermelha de espécies ameaçadas da IUCN, a disponibilização de consultadoria em vários tópicos prioritários para a conservação e a implementação de ações de divulgação e sensibilização para a importância da proteção das floras insulares macaronésicas".

O grupo, constituído por investigadores da Universidade dos Açores e do Instituto Superior de Agronomia, bem como diretores e técnicos de entidades governamentais e privadas de proteção ambiental das regiões, tem presidência dividida entre os Açores e as Canárias e irá reunir pela primeira vez nos dias 29 e 30 de novembro em Las Palmas, Canárias.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.