Aprovados projetos de regadio agrícola no valor de 278 milhões de euros - ministro

Lisboa, 09 nov (Lusa)- Cinquenta e cinco projetos de regadio agrícola estão aprovados no país com um investimento de 278 milhões de euros, estando 18 em obra, disse hoje à agência Lusa o ministro da Agricultura.

Do Programa Nacional de Regadios, "já estão aprovados 55 projetos, a que corresponde um montante global de investimento de 278 milhões de euros, alguns dos quais estão já em fase de obra, como o que irei visitar [hoje] em Óbidos/Bombarral, e outros aguardam estudo de impacto ambiental", afirmou Luís Capoulas Santos.

Dezoito dos 55 projetos estão em obra e totalizam um investimento de 86 milhões de euros.

Entre os projetos aprovados para a construção ou renovação de sistemas de rega para a agricultura, estão investimentos em Óbidos/Bombarral, no distrito de Leiria (25 milhões de euros), Vila Franca de Xira, Lisboa (mais de 30 milhões de euros), e Campo Maior, Portalegre (25 milhões de euros).

Juntam-se investimentos em Alfândega da Fé, Vila Flor, Mirandela e Macedo de Cavaleiros (no distrito de Bragança), Chaves (Vila Real), Soure (Coimbra), Marinha Grande e Alcobaça/Nazaré (Leiria), e Vale do Sado, Alcácer do Sal e Santiago do Cacém (Setúbal).

Acrescem projetos em Montemor-o-Novo, Alandroal, no canal de Álamos, um subsistema da barragem do Alqueva, Mourão e Redondo (no distrito de Évora), Odemira (Beja), Silves, Castro Marim e Lagos (Faro).

O Plano Nacional de Regadios tem previsto um investimento de 560 milhões de euros até 2023. Sessenta por cento dos projetos corresponde à construção de novos sistemas de rega e os restantes 40% à remodelação de outros já existentes.

Capoulas Santos adiantou à Lusa que o Governo quer "dotar o país de mais cerca de cem mil hectares de novos regadios, entre novos regadios e a requalificação de outros já existentes, uma forma de mitigar as alterações climáticas e de reduzir custos de produção".

"É uma resposta muito importante para um país que quer continuar a ver a sua agricultura a crescer acima do resto da economia, que quer continuar a crescer nas exportações, que este ano registam um crescimento de 6% face ao ano passado", frisou o ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural.

Estes investimentos vão permitir criar 10.500 postos de trabalho na agricultura, estima o governante.

Até ao final deste ano, o Ministério da Agricultura deverá, ainda, lançar concursos para outros investimentos que ascendem a 282 milhões de euros, um dos quais é a ampliação do sistema da barragem do Alqueva, abrangendo mais 55 mil hectares de terrenos agrícolas.

O ministério está também a negociar financiamento do próximo quadro comunitário para a segunda fase de investimento do programa, de modo a abranger pelo menos mais 100 mil hectares.

Capoulas Santos e o primeiro-ministro, António Costa, visitam hoje as obras da Rede de Rega de Óbidos e Amoreira, um investimento de 25 milhões de euros que vai envolver mil hectares de terrenos e 900 agricultores das freguesias da Amoreira e de Olho Marinho, no concelho de Óbidos, e do Pó e da Roliça, em Bombarral.

Depois da construção da barragem do Arnóia, concluída desde 2005, estão em obra até ao início de 2019 uma estação elevatória e a rede de rega de Óbidos.

Os governantes vão hoje assinar contrato para o início da construção da rede de rega da Amoreira.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.