Aplicação de telemóvel ajuda a conhecer flora do parque da cidade de Aveiro

Uma aplicação para telemóvel que ajuda a conhecer melhor as espécies de plantas existentes no Parque Infante D. Pedro, em Aveiro, e pontos de interesse histórico deste espaço verde, vai ser lançada na próxima quarta-feira.

A aplicação com o nome "EduPARK" foi criada por um grupo de investigadores da Universidade de Aveiro (UA) e pode ser descarregada através do Google Play, encontrando-se apenas disponível para dispositivos Android, disse à agência Lusa a coordenadora do projeto, Lúcia Pombo.

Segundo a investigadora do Departamento de Educação e Psicologia da UA, a aplicação permite ao visitante explorar as espécies de plantas existentes no parque da cidade, usando a tecnologia de realidade aumentada.

"A pessoa só tem de ter a aplicação aberta e apontar a câmara do telemóvel para uma das 32 placas identificativas e azulejos existentes no parque para ver toda a informação dessa planta", disse Lúcia Pombo.

Ao todo, o parque tem cerca de 70 espécies de plantas, mas só cerca de metade é que estão abrangidas.

A aplicação inclui ainda um jogo com guiões educativos para os vários níveis de ensino, desde o Básico ao Superior.

"O aluno ou visitante faz o jogo e acaba por aprender com as várias questões interdisciplinares", explicou a investigadora, adiantando que ao longo do tempo vão sendo disponibilizados novos guiões.

O "EduPARK" inclui ainda um 'quiz' específico para o público em geral, este último também em inglês, com questões de cultura geral e curiosidades sobre a região de Aveiro.

A sessão de apresentação do projeto vai ter lugar quarta-feira às 14:45, no auditório Mestre Hélder Castanheira na UA.

Às 16:00, proceder-se-á à inauguração simbólica da aplicação, colocando a descoberto o cartaz informativo sobre a utilização do "EduPARK", que está instalado numa das entradas principais do Parque Infante D. Pedro, em Aveiro.

Em seguida, numa iniciativa aberta à participação do público, está prevista a experimentação prática da aplicação.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?