Aplicação de telemóvel ajuda a conhecer flora do parque da cidade de Aveiro

Uma aplicação para telemóvel que ajuda a conhecer melhor as espécies de plantas existentes no Parque Infante D. Pedro, em Aveiro, e pontos de interesse histórico deste espaço verde, vai ser lançada na próxima quarta-feira.

A aplicação com o nome "EduPARK" foi criada por um grupo de investigadores da Universidade de Aveiro (UA) e pode ser descarregada através do Google Play, encontrando-se apenas disponível para dispositivos Android, disse à agência Lusa a coordenadora do projeto, Lúcia Pombo.

Segundo a investigadora do Departamento de Educação e Psicologia da UA, a aplicação permite ao visitante explorar as espécies de plantas existentes no parque da cidade, usando a tecnologia de realidade aumentada.

"A pessoa só tem de ter a aplicação aberta e apontar a câmara do telemóvel para uma das 32 placas identificativas e azulejos existentes no parque para ver toda a informação dessa planta", disse Lúcia Pombo.

Ao todo, o parque tem cerca de 70 espécies de plantas, mas só cerca de metade é que estão abrangidas.

A aplicação inclui ainda um jogo com guiões educativos para os vários níveis de ensino, desde o Básico ao Superior.

"O aluno ou visitante faz o jogo e acaba por aprender com as várias questões interdisciplinares", explicou a investigadora, adiantando que ao longo do tempo vão sendo disponibilizados novos guiões.

O "EduPARK" inclui ainda um 'quiz' específico para o público em geral, este último também em inglês, com questões de cultura geral e curiosidades sobre a região de Aveiro.

A sessão de apresentação do projeto vai ter lugar quarta-feira às 14:45, no auditório Mestre Hélder Castanheira na UA.

Às 16:00, proceder-se-á à inauguração simbólica da aplicação, colocando a descoberto o cartaz informativo sobre a utilização do "EduPARK", que está instalado numa das entradas principais do Parque Infante D. Pedro, em Aveiro.

Em seguida, numa iniciativa aberta à participação do público, está prevista a experimentação prática da aplicação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.