Aplicação de telemóvel ajuda a conhecer flora do parque da cidade de Aveiro

Uma aplicação para telemóvel que ajuda a conhecer melhor as espécies de plantas existentes no Parque Infante D. Pedro, em Aveiro, e pontos de interesse histórico deste espaço verde, vai ser lançada na próxima quarta-feira.

A aplicação com o nome "EduPARK" foi criada por um grupo de investigadores da Universidade de Aveiro (UA) e pode ser descarregada através do Google Play, encontrando-se apenas disponível para dispositivos Android, disse à agência Lusa a coordenadora do projeto, Lúcia Pombo.

Segundo a investigadora do Departamento de Educação e Psicologia da UA, a aplicação permite ao visitante explorar as espécies de plantas existentes no parque da cidade, usando a tecnologia de realidade aumentada.

"A pessoa só tem de ter a aplicação aberta e apontar a câmara do telemóvel para uma das 32 placas identificativas e azulejos existentes no parque para ver toda a informação dessa planta", disse Lúcia Pombo.

Ao todo, o parque tem cerca de 70 espécies de plantas, mas só cerca de metade é que estão abrangidas.

A aplicação inclui ainda um jogo com guiões educativos para os vários níveis de ensino, desde o Básico ao Superior.

"O aluno ou visitante faz o jogo e acaba por aprender com as várias questões interdisciplinares", explicou a investigadora, adiantando que ao longo do tempo vão sendo disponibilizados novos guiões.

O "EduPARK" inclui ainda um 'quiz' específico para o público em geral, este último também em inglês, com questões de cultura geral e curiosidades sobre a região de Aveiro.

A sessão de apresentação do projeto vai ter lugar quarta-feira às 14:45, no auditório Mestre Hélder Castanheira na UA.

Às 16:00, proceder-se-á à inauguração simbólica da aplicação, colocando a descoberto o cartaz informativo sobre a utilização do "EduPARK", que está instalado numa das entradas principais do Parque Infante D. Pedro, em Aveiro.

Em seguida, numa iniciativa aberta à participação do público, está prevista a experimentação prática da aplicação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.