APAVT espera desde julho projeto de regulamento para autocarros turísticos em Lisboa

A vice-presidente da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT) disse hoje estar desde julho à espera do projeto do novo regulamento para autocarros turísticos em Lisboa, defendendo que vai levar à degradação do serviço.

"Para nós a operação turística em Lisboa é um ciclo novo todos os dias. Quase todos os dias temos surpresas da câmara municipal. No último ano temos tentado conversar, dialogar com a câmara - não só nós, também a Confederação do Turismo de Portugal - já chamámos a APL [Associação do Porto de Lisboa] para o assunto, já informámos o Turismo de Portugal para o que se passa, mas as coisas não são fáceis", afirmou Eduarda Neves no 44.º Congresso Nacional da APAVT, que decorre em Ponta Delgada, Açores.

Em causa, sobretudo, estão as restrições impostas pela Câmara Municipal de Lisboa à circulação de autocarros turísticos na zona histórica da capital, mas também as novas medidas em estudo, como o alargamento desta proibição a outras zonas da cidade.

"O diálogo não é fácil. Cada vez que houve alterações fomos informados ou com uma semana de antecedência, ou na melhor das hipóteses um mês, e estamos desde julho - aquando uma penúltima reunião que conseguimos ter com a câmara - à espera de um projeto de um novo regulamento que ainda não chegou. Tivemos novamente uma reunião em novembro e foi-nos prometido que vamos ter esse projeto para podermos dar a nossa opinião e as nossas sugestões", acrescentou Eduarda Neves.

Segundo a mesma responsável, a APAVT tem "uma ideia vaga" do que lhes foi transmitido que a câmara vai fazer em termos de constrangimentos na cidade.

"Rapidamente em toda a Baixa vai ser proibida a circulação de autocarros a partir dos Restauradores, na Ribeira das Naus, portanto, quem vem num cruzeiro e vai sair do barco em Santa Apolónia - um sítio giro para ter um Terminal de Cruzeiros -, não vai conseguir ver a cidade a não ser que seja a pé", explicou.

"Temos já desde o ano passado, e aí tivemos com cerca de um mês de antecedência, o aviso [sobre]a proibição de circular entre o Cais do Sodré e o Largo do Rato, onde estão quase todos os restaurantes que são utilizados todos os dias por vários tipos de grupos, sejam grupos de lazer, sejam de operações regulares, sejam de incentivos ou conferências, e isto tudo é muito difícil porque não conseguimos prestar a qualidade de serviço que poderíamos estar a prestar aos clientes", lamenta Eduarda Neves.

A responsável diz que o setor está atualmente a vender programas turísticos aos clientes "a um, dois ou três anos de distância" e depois não vai "conseguir cumprir" o que foi vendido.

"Portanto, estamos sujeitos a ter que pagar compensações - a ter custos mais elevados - porque em vez de um autocarro a circular, vamos ter que usar três de 15 lugares e que não existem no mercado. Não há guias porque cada vez há menos guias, pois não é obrigatório usar, e como tal em vez de um guia para um autocarro de 50 lugares temos que ter três guias e três autocarros que não existem", descreve.

Logo, a qualidade do serviço "vai-se degradando e não estamos a ver grande abertura para sugestões", reforça Eduarda Neves.

Segundo a responsável, "tem sido extremamente difícil" dialogar com a câmara e como tal não são esperadas "grandes mudanças a favor da operação turística".

"Vamos ver o que é que vem aí. (...) A parte técnica é, entre aspas, 'lixada' pela parte política", conclui.

Na quinta-feira à noite, o presidente da APAVT já tinha dito que os constrangimentos à operação turística em Lisboa não tinham sido ultrapassados e desafiado a Confederação do Turismo de Portugal a tomar uma posição de força.

No final de julho de 2017, o município da capital informou ter proibido a circulação de autocarros turísticos com mais de nove lugares nos acessos à Sé e ao Castelo de Lisboa, visando evitar problemas para os moradores, ao nível do ruído e do congestionamento do tráfego, entre outros.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?