APAVT conta com 600 pessoas para congresso em "atmosfera de fim de ciclo" no turismo

Lisboa, 21 de nov (Lusa) - O presidente da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo acredita que o setor vive numa "atmosfera de fim de ciclo", considerando, assim, "feliz" a escolha do tema para o congresso anual que vai debater "Os desafios do crescimento".

O 44.º Congresso Nacional da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT) começa na quinta-feira em Ponta Delgada, nos Açores, e vai reunir mais de 600 participantes, disse Pedro Costa Ferreira.

Hoje, "podemos dizer que temos mais de 600 participantes no 44.º congresso e, portanto, do ponto de vista da mobilização e também do destino, devemos dizê-lo, estão reunidas todas as condições para termos mais um grande congresso", disse em declarações à agência Lusa.

"Em termos de temática, a principal do ponto de vista macroeconómico, serão os desafios do crescimento, e eu julgo que é uma temática que foi feliz e é bastante atual. A verdade é que depois de um ciclo de enorme sucesso, Portugal enquanto destino turístico enfrenta uma atmosfera de fim de ciclo, que me parece que é óbvia", acrescenta o presidente da APAVT.

Antecipando que "os desafios não são poucos", Pedro Costa Ferreira enumera alguns: "Temos um aeroporto esgotado, temos as 'low-cost' [companhias aéreas de baixo custo] com um 'share' [quota] de mercado que é um 'share' adulto, vamos dizê-lo, [...] o alojamento local investiu, diferenciou, acolheu novas procuras, mas também o seu crescimento não será certamente aquilo que foi em Portugal nos últimos anos e, finalmente, as condições externas que nos eram favoráveis são hoje bem mais desfavoráveis".

Nestes últimos constrangimentos externos, o responsável da APAVT inclui a concorrência de destinos que estão novamente em crescimento: "Penso na Tunísia, penso no Egito, penso, sobretudo, na Turquia e verificaremos que importantes concorrentes nossos estão agora a crescer de forma fulgurante e, claramente, que não vão representar vento pelas costas, vamos dizer desta maneira".

No congresso anual da APAVT, entre muitos outros painéis e presenças, o evento vai contar com o advogado, vice-presidente do CDS e ex-secretário de Estado do Turismo, Adolfo Mesquita Nunes, com o presidente do Turismo de Portugal, Luis Araújo, o presidente da ALEP - Associação do Alojamento Local em Portugal, Eduardo Miranda, a par do presidente executivo da Boost Portugal, João Paiva Mendes, como oradores do tema principal do congresso "Turismo em Portugal: Os desafios do crescimento".

Especificamente sobre o destino Açores, o congresso conta com um painel com a participação da secretária Regional da Energia, Ambiente e Turismo dos Açores, Marta Guerreiro, com o presidente da Câmara de Comércio de Angra do Heroísmo, ex-agente de viagens e atual hoteleiro, Rodrigo Rodrigues, da secretária-geral da AHRESP, Ana Jacinto, e do presidente da SDEA - Sociedade de Desenvolvimento Empresarial dos Açores e ex-secretário Regional do Turismo e Transportes, Vítor Fraga.

Em julho, o presidente da APAVT afirmou que a escolha dos Açores para o congresso nacional é mais uma etapa de um conjunto de ações com vista à visibilidade do destino.

"A concretização deste evento em Ponta Delgada deve ser entendido como mais uma etapa, de um conjunto largo de ações concretas, que visaram, todas elas, a visibilidade nacional e internacional do arquipélago, bem como o desenvolvimento de boas práticas de proximidade entre a comunidade dos agentes de viagens e o destino", afirmou, na altura, Pedro Costa Ferreira.

Esta não é a primeira vez que os Açores recebem um congresso da APAVT. A associação já tinha feito esta escolha para os congressos de 1995, 2006 e 2013, este último na Ilha Terceira, no mesmo ano em que elegeram a região para "Destino Preferido da APAVT".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.