Antigo MNE guineense nomeado ministro da Presidência do Conselho de Ministros

O antigo chefe da diplomacia da Guiné-Bissau Soares Sambu foi hoje nomeado pelo Presidente do país, José Mário Vaz, ministro da Presidência do Conselho de Ministros, substituindo no cargo Malal Sané, que abandona o Governo a seu pedido.

Segundo dois decretos presidenciais de José Mário Vaz, a que a Lusa teve acesso, Malal Sané, que também era ministro dos Assuntos Parlamentares e porta-voz do Governo, pediu para deixar o executivo e o primeiro-ministro, Umaro Sissoco Embaló, consentiu.

Não foi evocado o motivo para o pedido de demissão de Malal Sané.

Para o seu lugar foi nomeado Soares Sambu, que vai ter a categoria de ministro de Estado.

Antigo ministro dos Negócios Estrangeiros, Soares Sambu também já desempenhou, entre outros, o cargo de ministro da Economia e Finanças.

Atualmente, desempenhava funções como conselheiro político-diplomático de Umaro Sissoco Embaló.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.

Premium

Opinião

Angola, o renascimento de uma nação

A guerra do Kosovo foi das raras seguras para os jornalistas. Os do poder, os kosovares sérvios, não queriam acirrar ainda mais a má vontade insana que a outra Europa e a América tinham contra eles, e os rebeldes, os kosovares muçulmanos, viam nas notícias internacionais o seu abono de família. Um dia, 1998, 1999, não sei ao certo, eu e o fotógrafo Luís Vasconcelos íamos de carro por um vale ladeado, à direita, por colinas - de Mitrovica para Pec, perto da fronteira com o Montenegro. E foi então que vi a esteira de sucessivos fumos, adiantados a nós, numa estrada paralela que parecia haver nas colinas.