Antigo edifício do parlamento angolano vai ser convertido em sala de espetáculos

As antigas instalações do parlamento angolano, em Luanda, vão ser convertidas num espaço para espetáculos de teatro e de música, retomando as funções do período colonial português, quando foi construído para cinema.

A decisão foi tomada hoje em reunião do Conselho de Ministros, pela última vez orientada por José Eduardo dos Santos, que após as eleições gerais de 23 de agosto abandona o poder em Angola, ao fim de 38 anos.

O antigo cinema-teatro "Restauração", em Luanda, construído há mais de 60 anos, viu partir entre novembro e dezembro de 2015 deputados e serviços de apoio ao parlamento angolano, com a inauguração do novo e emblemático edifício-sede da Assembleia Nacional.

Construído no tempo colonial português, na cidade alta de Luanda, foi projetado pelos irmãos arquitetos João Garcia de Castilho e Luís Garcia de Castilho e passou a funcionar como Palácio dos Congressos e sede do parlamento angolano com a proclamação da independência, a 11 de novembro de 1975.

Na sessão de hoje, o Conselho de Ministros aprovou a proposta de conversão das instalações "num espaço para eventos de teatro e música, podendo igualmente as áreas adjacentes serem utilizadas para exposições de artes plásticas, conferências e outras manifestações de cultura", informou o Governo angolano, em comunicado enviado à agência Lusa.

Para o efeito, foi igualmente criada uma comissão multissetorial coordenada pelo Ministério da Cultura, para a conclusão dos estudos e para a proposta de nova designação do edifício, que recebia 220 deputados e reuniões plenárias.

O edifício perdeu as funções anteriores com a inauguração, pelo Presidente da República, José Eduardo dos Santos, do novo edifício, a 11 de novembro de 2015, localizado a poucas centenas de metros de distância e construído pela empresa portuguesa Teixeira Duarte e que representou um investimento público superior a 185 milhões de dólares (158 milhões de euros).

O denominado Centro Político e Administrativo de Luanda começou a ser construído em maio de 2010. Envolve uma área de 35.867 metros quadrados de escritórios, 11.341 metros quadrados de área global para a assembleia (plenário) e 3.191 metros quadrados para serviços.

Por concluir permanece a segunda fase dos trabalhos, prevendo a construção do edifício que vai receber os gabinetes dos deputados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.