Antigo bastonário da Ordem dos Farmacêuticos Carlos da Silveira morreu aos 95 anos

O antigo bastonário da Ordem dos Farmacêuticos e investigador Carlos Costa da Silveira morreu no sábado, aos 95 anos, em Cascais, anunciou hoje à agência Lusa a família.

O velório decorrerá a partir das 18:00 de hoje no Centro Funerário de Cascais (Alcabideche) e o enterro realiza-se na segunda-feira às 11:00 no Cemitério do Estoril, adianta a família numa nota enviada à Lusa.

Carlos Costa da Silveira concluiu a Licenciatura na Faculdade de Farmácia da Universidade do Porto em 1945, tendo-se doutorado nessa mesma Faculdade em 1966.

Aos 24 anos ingressou na Marinha de Guerra Portuguesa como farmacêutico, tendo permanecido em serviço ativo durante 43 anos e ocupado o cargo de subdiretor do serviço de saúde naval.

Foi investigador e Professor Catedrático da Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa e, entre 1989 e 1995, bastonário da Ordem dos Farmacêuticos. Esteve ligado ao Ministério da Saúde entre 1961 e 1974.

Interveio na génese da Comissão Técnica de Novos Medicamentos, na implementação de farmácias hospitalares, na criação da Ordem dos Farmacêuticos, do Centro de Metabolismo e Genética da Universidade de Lisboa, bem como do Laboratório de Análises Fármaco-Toxicológicas da Marinha.

O investigador foi galardoado pela Direção-Geral da Saúde com o Prémio Nacional de Saúde 2010 e, em 2012, recebeu a Medalha de Ouro da Ordem dos Farmacêuticos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...