Angolana TAAG em campanha internacional contra transporte de animais selvagens

A TAAG - Linhas Aéreas de Angola é a mais recente companhia a juntar-se à iniciativa "tolerância zero" no transporte ilegal de animais selvagens e seus produtos, promovida pela Fundação Real do Reino Unido.

Em comunicado, a que agência Lusa teve hoje acesso, a transportadora aérea angolana refere que a iniciativa United for Wildlife (Juntos pela Vida Selvagem), liderada pelo duque de Cambridge, príncipe William, número dois na linha de sucessão ao trono, conta igualmente com a adesão de outras 72 companhias aéreas e entidades internacionais.

O ato de adesão, ocorrido no início deste mês, em Londres, contou com a presença do membro da Comissão Executiva da TAAG, William Boulter, que assim se compromete a cumprir com os 11 compromissos, que engajará a companhia a detetar o transporte ilícito de animais selvagens e produtos, a partilhar informação e melhores práticas na indústria, bem como elevar a consciência dos seus trabalhadores e passageiros sobre estas práticas ilícitas.

"Desta forma, a TAAG compromete-se indefetivelmente com o futuro, promovendo a sustentabilidade e apoiando o combate a esta atividade ilegal e cruel", refere a nota.

Em junho deste ano, as autoridades angolanas queimaram cerca de 1,5 toneladas de marfim, quantidade que a ser comercializada no mercado negro rondaria um milhão de euros.

O marfim destruído, entre dentes em bruto e algumas peças trabalhadas, foi apreendido em diversos pontos do país, entre 2016 e 2017, tendo a maior parte das apreensões ocorrido no aeroporto internacional 04 de Fevereiro, em Luanda, ponto principal da saída deste comércio ilegal, sobretudo para os países asiáticos.

Angola é signatária da Convenção sobre o Comércio Internacional das Espécies da Fauna e da Flora Ameaçadas de Extinção (CITES), tendo assumido o compromisso de acabar com o comércio de marfim no país, bem como aumentar o controlo do tráfico no aeroporto internacional da capital, Luanda.

Ler mais

Exclusivos