Angola investe quase 750 mil euros para formar professores do ensino primário

O Governo angolano vai investir 219 milhões de kwanzas (quase 750.000 euros) no projeto de Capacitação para Professores Primários (CAPRI), que prevê abranger até 2022 cerca de 100.000 docentes do ensino primário.

De iniciativa do Ministério da Educação de Angola, o projeto apresentado hoje em Luanda vai ser executado de forma faseada pelo país, sendo que a partir de setembro o ciclo de formação começa já na capital, conforme explicou o secretário de Estado para o Ensino Pré-Escolar, Joaquim Cabral.

"Em Luanda, nesta estreia, prevemos formar e capacitar 5.600 professores primários com o conhecimento e metodologia de ensino que os ajudarão a melhorar o desempenho nas suas funções e assim sucessivamente. Até 2022 vamos atingir todo o país", explicou o governante.

Formar os professores para preparem as aulas de uma forma mais fácil, apelativa e inovadores, em três áreas, nomeadamente, Leitura e Escrita, Matemática e Desporto, Arte e Cultura, são os propósitos do CAPPRI, de acordo com a explicação da coordenadora do projeto, Leonor de Sá Machado.

Em Luanda, explicou, está prevista a formação de cerca de 1.300 professores por mês, em sete municípios, ultrapassando os 5.000 professores do ensino primário ainda este ano, "beneficiando cerca de 225.445 alunos".

Melhorar o desempenho dos professores, a metodologia de Ensino, o desenvolvimento da motivação, a competência de aprendizagem dos alunos e promover um maior aproveitamento escolar e ainda reduzir a taxa de abandono escolar são alguns dos objetivos deste projeto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.