Angola investe quase 750 mil euros para formar professores do ensino primário

O Governo angolano vai investir 219 milhões de kwanzas (quase 750.000 euros) no projeto de Capacitação para Professores Primários (CAPRI), que prevê abranger até 2022 cerca de 100.000 docentes do ensino primário.

De iniciativa do Ministério da Educação de Angola, o projeto apresentado hoje em Luanda vai ser executado de forma faseada pelo país, sendo que a partir de setembro o ciclo de formação começa já na capital, conforme explicou o secretário de Estado para o Ensino Pré-Escolar, Joaquim Cabral.

"Em Luanda, nesta estreia, prevemos formar e capacitar 5.600 professores primários com o conhecimento e metodologia de ensino que os ajudarão a melhorar o desempenho nas suas funções e assim sucessivamente. Até 2022 vamos atingir todo o país", explicou o governante.

Formar os professores para preparem as aulas de uma forma mais fácil, apelativa e inovadores, em três áreas, nomeadamente, Leitura e Escrita, Matemática e Desporto, Arte e Cultura, são os propósitos do CAPPRI, de acordo com a explicação da coordenadora do projeto, Leonor de Sá Machado.

Em Luanda, explicou, está prevista a formação de cerca de 1.300 professores por mês, em sete municípios, ultrapassando os 5.000 professores do ensino primário ainda este ano, "beneficiando cerca de 225.445 alunos".

Melhorar o desempenho dos professores, a metodologia de Ensino, o desenvolvimento da motivação, a competência de aprendizagem dos alunos e promover um maior aproveitamento escolar e ainda reduzir a taxa de abandono escolar são alguns dos objetivos deste projeto.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

nuno camarneiro

Males por bem

Em 2012 uma tempestade atingiu Portugal, eu, que morava na praia da Barra, fiquei sem luz nem água e durante dois dias acompanhei o senhor Clemente (reformado, anjo-da-guarda e dançarino de salão) fixando telhados com sacos de areia, trancando janelas de apartamentos de férias e prendendo os contentores para que não abalroassem automóveis na via pública. Há dois anos, o prédio onde moro sofreu um entupimento do sistema de saneamento e pude assistir ao inferno sético que lentamente me invadiu o pátio e os pesadelos. Os moradores vieram em meu socorro e em pouco tempo (e muito dinheiro) lá conseguimos que um piquete de canalizadores nos exorcizasse de todo mal.