Angola investe quase 750 mil euros para formar professores do ensino primário

O Governo angolano vai investir 219 milhões de kwanzas (quase 750.000 euros) no projeto de Capacitação para Professores Primários (CAPRI), que prevê abranger até 2022 cerca de 100.000 docentes do ensino primário.

De iniciativa do Ministério da Educação de Angola, o projeto apresentado hoje em Luanda vai ser executado de forma faseada pelo país, sendo que a partir de setembro o ciclo de formação começa já na capital, conforme explicou o secretário de Estado para o Ensino Pré-Escolar, Joaquim Cabral.

"Em Luanda, nesta estreia, prevemos formar e capacitar 5.600 professores primários com o conhecimento e metodologia de ensino que os ajudarão a melhorar o desempenho nas suas funções e assim sucessivamente. Até 2022 vamos atingir todo o país", explicou o governante.

Formar os professores para preparem as aulas de uma forma mais fácil, apelativa e inovadores, em três áreas, nomeadamente, Leitura e Escrita, Matemática e Desporto, Arte e Cultura, são os propósitos do CAPPRI, de acordo com a explicação da coordenadora do projeto, Leonor de Sá Machado.

Em Luanda, explicou, está prevista a formação de cerca de 1.300 professores por mês, em sete municípios, ultrapassando os 5.000 professores do ensino primário ainda este ano, "beneficiando cerca de 225.445 alunos".

Melhorar o desempenho dos professores, a metodologia de Ensino, o desenvolvimento da motivação, a competência de aprendizagem dos alunos e promover um maior aproveitamento escolar e ainda reduzir a taxa de abandono escolar são alguns dos objetivos deste projeto.

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.