Ampliação de 27 ME em fábrica de Viana do Castelo gera 350 postos de trabalho

A segunda fase da fábrica da multinacional francesa Eurostyle Systems, em Viana do Castelo, a inaugurar na sexta-feira, representa um investimento de 27 milhões de euros e cria 350 postos de trabalho, informou hoje a Câmara local.

Em comunicado, a Câmara da capital do Alto Minho adiantou que com esta ampliação, a fábrica instalada no parque empresarial de Lanheses,"garante a duplicação da capacidade de produção, passando a faturar cerca de 50 milhões de euros".

A inauguração da segunda fase da Eurostyle Systems está marcada para as 11:30, com a presença do primeiro-ministro, António Costa.

Segundo a autarquia, "a primeira fase do empreendimento industrial da multinacional francesa do setor automóvel, que produz essencialmente peças injetadas de plástico para componentes da indústria automóvel, foi assim ampliada em 12,7 mil metros quadrados, pelo que a unidade passa a totalizar uma área produtiva e de armazenagem de 18,8 mil metros quadrados".

Criado em 1986, o grupo está hoje espalhado por vários países, desde França, Eslováquia, Rússia, Marrocos e Portugal, e emprega cerca de 1.500 pessoas, trabalhando para as principais marcas automóveis.

Na nota, o município destacou que "o 'cluster' automóvel que se tem vindo a instalar em Viana do Castelo vai garantir a criação de 1.640 postos de trabalho".

No total, destacou a autarquia, "o investimento em curso em novas indústrias no concelho é de 230 milhões de euros, sendo que o setor automóvel representa 132 milhões de euros, prevendo-se até ao final de 2019 a criação de 1.800 empregos"

De acordo com os dados avançados pela Câmara da capital do Alto Minho, na zona industrial de Lanheses "laboram a Borgwarner e a Serilusa, com 800 funcionários, e, que os novos investimentos de quatro empresas, representam mais 1.270 postos de trabalho".

"A Eurostyle garante 350 postos de trabalho, a Bontaz Centre assume 600 empregos, com um investimento de 25 milhões de euros, a Steep Plastique está a investir 25 milhões de euros e criará 250 postos de trabalho, sendo que a Aludec, SA, representa um investimento de 10 milhões de euros e 70 postos de trabalho", especificou.

Já na Zona Industrial de Neiva/Alvarães, "a Viana Plásticos, a Uchiyama UMC e a Lacoviana totalizam 325 postos de trabalho, mas os investimentos em curso vão trazer mais 370 trabalhadores ao parque empresarial".

Em causa, especificou a autarquia, está "um investimento de 15 milhões da Uchiyama, que criará mais 150 postos de trabalho, da Lacoviana, que vai investir dois milhões de euros e aumentar em 30 o número de funcionários existentes, da Vianaplásticos que está a investir cinco milhões de euros e a criar 20 postos de trabalho, da Howa Teamico, a investir 20 milhões de euros, prevendo criar 100 empregos e da Serratec que contratará 70 trabalhadores, num investimento de 25 milhões de euros".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.