Ampliação de 27 ME em fábrica de Viana do Castelo gera 350 postos de trabalho

A segunda fase da fábrica da multinacional francesa Eurostyle Systems, em Viana do Castelo, a inaugurar na sexta-feira, representa um investimento de 27 milhões de euros e cria 350 postos de trabalho, informou hoje a Câmara local.

Em comunicado, a Câmara da capital do Alto Minho adiantou que com esta ampliação, a fábrica instalada no parque empresarial de Lanheses,"garante a duplicação da capacidade de produção, passando a faturar cerca de 50 milhões de euros".

A inauguração da segunda fase da Eurostyle Systems está marcada para as 11:30, com a presença do primeiro-ministro, António Costa.

Segundo a autarquia, "a primeira fase do empreendimento industrial da multinacional francesa do setor automóvel, que produz essencialmente peças injetadas de plástico para componentes da indústria automóvel, foi assim ampliada em 12,7 mil metros quadrados, pelo que a unidade passa a totalizar uma área produtiva e de armazenagem de 18,8 mil metros quadrados".

Criado em 1986, o grupo está hoje espalhado por vários países, desde França, Eslováquia, Rússia, Marrocos e Portugal, e emprega cerca de 1.500 pessoas, trabalhando para as principais marcas automóveis.

Na nota, o município destacou que "o 'cluster' automóvel que se tem vindo a instalar em Viana do Castelo vai garantir a criação de 1.640 postos de trabalho".

No total, destacou a autarquia, "o investimento em curso em novas indústrias no concelho é de 230 milhões de euros, sendo que o setor automóvel representa 132 milhões de euros, prevendo-se até ao final de 2019 a criação de 1.800 empregos"

De acordo com os dados avançados pela Câmara da capital do Alto Minho, na zona industrial de Lanheses "laboram a Borgwarner e a Serilusa, com 800 funcionários, e, que os novos investimentos de quatro empresas, representam mais 1.270 postos de trabalho".

"A Eurostyle garante 350 postos de trabalho, a Bontaz Centre assume 600 empregos, com um investimento de 25 milhões de euros, a Steep Plastique está a investir 25 milhões de euros e criará 250 postos de trabalho, sendo que a Aludec, SA, representa um investimento de 10 milhões de euros e 70 postos de trabalho", especificou.

Já na Zona Industrial de Neiva/Alvarães, "a Viana Plásticos, a Uchiyama UMC e a Lacoviana totalizam 325 postos de trabalho, mas os investimentos em curso vão trazer mais 370 trabalhadores ao parque empresarial".

Em causa, especificou a autarquia, está "um investimento de 15 milhões da Uchiyama, que criará mais 150 postos de trabalho, da Lacoviana, que vai investir dois milhões de euros e aumentar em 30 o número de funcionários existentes, da Vianaplásticos que está a investir cinco milhões de euros e a criar 20 postos de trabalho, da Howa Teamico, a investir 20 milhões de euros, prevendo criar 100 empregos e da Serratec que contratará 70 trabalhadores, num investimento de 25 milhões de euros".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.

Premium

Opinião

Angola, o renascimento de uma nação

A guerra do Kosovo foi das raras seguras para os jornalistas. Os do poder, os kosovares sérvios, não queriam acirrar ainda mais a má vontade insana que a outra Europa e a América tinham contra eles, e os rebeldes, os kosovares muçulmanos, viam nas notícias internacionais o seu abono de família. Um dia, 1998, 1999, não sei ao certo, eu e o fotógrafo Luís Vasconcelos íamos de carro por um vale ladeado, à direita, por colinas - de Mitrovica para Pec, perto da fronteira com o Montenegro. E foi então que vi a esteira de sucessivos fumos, adiantados a nós, numa estrada paralela que parecia haver nas colinas.