Alunos de Paredes venceram concurso internacional de química

Três alunos do Colégio Casa Mãe, em Paredes, conquistaram um concurso internacional com um vídeo que explica, em três minutos, como transformar óleo de cozinha em combustível biodiesel, anunciou a instituição de ensino.

O projeto foi desenvolvido sob orientação de Maria João Póvoas, docente de físico-química, e contou com óleos usados da cozinha da escola e trazidos de casa pelos alunos.

"Pela primeira vez tivemos alunos que se inscreveram em química, disciplina opcional, e quisemos desenvolver algo diferente, para os motivar e motivar outros alunos da escola", explicou a professora, em declarações à Lusa.

Os alunos Mário Mesquita, João Ribeiro e Pedro Magalhães, todos do 12.º ano, foram desafiados a fazer algo inovador, no âmbito da disciplina de química, relacionado com o biodiesel.

"Os alunos pesquisaram e criaram um protocolo inicial, que aprovei. Depois foi dar seguimento à ideia e à criação do vídeo", continuou a docente.

O vídeo começa por demonstrar alguns efeitos de deitar o óleo nos canos da banca da louça. Segue-se a explicação de como fazer biodiesel.

O projeto concorreu ao Concurso ChemRus 2017, promovido pela Sociedade Portuguesa de Química, e arrecadou o primeiro lugar, classificando-o para o concurso internacional "Chemistry Rediscovered", promovido por um conjunto de químicos europeus.

"Foi uma surpresa ter ganho a nível nacional", confessou Maria João Póvoas.

No concurso internacional, realizado pela primeira vez, o projeto dos três jovens concorreu com mais 15 de oito países. O primeiro prémio valeu aos estudantes uma viagem gratuita de três dias a Londres.

Maria João Póvoas avançou à Lusa que o objetivo é continuar a incentivar os alunos para a disciplina de química.

Sobre uma nova vitória, reconheceu ser algo difícil de alcançar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.