Alunos de Paredes venceram concurso internacional de química

Três alunos do Colégio Casa Mãe, em Paredes, conquistaram um concurso internacional com um vídeo que explica, em três minutos, como transformar óleo de cozinha em combustível biodiesel, anunciou a instituição de ensino.

O projeto foi desenvolvido sob orientação de Maria João Póvoas, docente de físico-química, e contou com óleos usados da cozinha da escola e trazidos de casa pelos alunos.

"Pela primeira vez tivemos alunos que se inscreveram em química, disciplina opcional, e quisemos desenvolver algo diferente, para os motivar e motivar outros alunos da escola", explicou a professora, em declarações à Lusa.

Os alunos Mário Mesquita, João Ribeiro e Pedro Magalhães, todos do 12.º ano, foram desafiados a fazer algo inovador, no âmbito da disciplina de química, relacionado com o biodiesel.

"Os alunos pesquisaram e criaram um protocolo inicial, que aprovei. Depois foi dar seguimento à ideia e à criação do vídeo", continuou a docente.

O vídeo começa por demonstrar alguns efeitos de deitar o óleo nos canos da banca da louça. Segue-se a explicação de como fazer biodiesel.

O projeto concorreu ao Concurso ChemRus 2017, promovido pela Sociedade Portuguesa de Química, e arrecadou o primeiro lugar, classificando-o para o concurso internacional "Chemistry Rediscovered", promovido por um conjunto de químicos europeus.

"Foi uma surpresa ter ganho a nível nacional", confessou Maria João Póvoas.

No concurso internacional, realizado pela primeira vez, o projeto dos três jovens concorreu com mais 15 de oito países. O primeiro prémio valeu aos estudantes uma viagem gratuita de três dias a Londres.

Maria João Póvoas avançou à Lusa que o objetivo é continuar a incentivar os alunos para a disciplina de química.

Sobre uma nova vitória, reconheceu ser algo difícil de alcançar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...