Alunos de Leiria e Marinha Grande transformaram Pinhal do Rei a em sala de aula

Quatrocentos alunos dos concelhos de Leiria e Marinha Grande coloriram hoje o cinzento do Pinhal do Rei e plantarem três mil pinheiros, numa ação de reflorestação de um talhão ardido no incêndio de 15 de outubro.

Gritos de alegria e de satisfação pela plantação de uma árvore pela primeira vez misturaram-se com a própria animação das figuras oficiais, que também não se inibiram de meter a mão no terreno para deixarem o seu pinheiro plantado no pinhal de Leiria.

O secretário de Estado da Educação, João Costa, foi o primeiro a dar o exemplo. Munido de uma pá, cavou e plantou. A seguir, ajudou os presidentes e vereadores das autarquias de Leiria e Marinha Grande, assim como outras entidades presentes.

Foi escolhido um talhão, com cerca de 29 hectares, dos quais 20 foram consumidos pelas chamas, em Pedreanes, no concelho da Marinha Grande. A primeira ação de reflorestação no pinhal de Leiria ainda está longe de concluir este talhão. "Para replantar um talhão são precisos cerca de 70 mil árvores", explicou fonte da autarquia.

João Costa salientou que ver todas as crianças e jovens a replantarem a floresta ardida "dá esperança e "a certeza de que este tipo de comportamento não se conquista na sala de aula", mas "conquista-se fazendo-se este tipo de atividades".

"Transformar a floresta numa sala de aula conquista-se pela ação. Estes alunos facilmente se esquecerão de uma aula, mas não se esquecem desta aula. Isso é que é fundamental, que a educação se converta em ação e se converta em cidadania", acrescentou o secretário de Estado.

O governante desafiou ainda outras escolas de todo o país a "associarem-se nesta campanha". "Isto não é uma coisa pontual. É uma ação de sensibilização, de conhecimento e de ação. Estamos a fazer uma atividade que se insere num quadro de toda a estratégia da educação para a cidadania e também da resposta do governo no setor específico da educação, para prepararmos estas gerações para que pesadelos como este sejam cada vez menos uma realidade".

A presidente da Câmara da Marinha Grande, Cidália Ferreira, disse acreditar que estes jovens vão "saber cuidar melhor do pinhal do que foi até hoje".

"Quando se envolvem as pessoas desde pequenas, vão crescer com os cuidados e devidas preocupações para que aquilo que aconteceu não se volte a repetir. Quando se olha para os jovens existe sempre esperança em qualquer ação, porque estamos a lidar com gente pura. Eles têm uma enorme tarefa. Aquilo que nos legaram como um património já construído quando nascemos já não existe. Estamos a dar-lhes a sua própria identidade, de um país, de um local que foi construído há 700 anos por outras mãos. Hoje, são eles que vão ter nas suas próprias mãos a reconstrução deste novo espaço", salientou a presidente.

Cidália Ferreira lembrou que existem muitos hectares para reflorestar e que "é preciso envolver todo o país".

Para o presidente do Município de Leiria, Raul Castro, "é gratificante ver esta paisagem triste cheia de crianças a plantar o pinhal que foi queimado".

"É uma imagem extraordinária que deveria ser projetada para todo o país, porque este exemplo merece ser replicado. Desafio que todos venham ao pinhal de Leiria. Todos vão ficar donos do pinhal de Leiria", acrescentou o autarca, considerando esta uma iniciativa "fantástica".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.