Altice Portugal premeia nova geração de sistemas de telecomunicações para satélites

A estudante de doutoramento Vanessa Duarte foi premiada pela Altice Portugal com 25 mil euros pelo desenvolvimento de uma nova geração de sistemas de telecomunicações para satélites, anunciou hoje a operadora.

Vanessa Duarte, doutoranda no Instituto de Telecomunicações de Aveiro, venceu o prémio de inovação Altice International Innovation Award 2018 na categoria "Academia".

O prémio, lançado pela operadora de telecomunicações, visa promover a inovação e o talento tecnológicos, distinguindo duas categorias: Academia e Startups.

O trabalho de Vanessa Duarte "foca-se no desenvolvimento de uma nova geração de sistemas de telecomunicações para satélites com recurso a tecnologias fotónicas", descreve a Altice Portugal em comunicado.

O projeto, premiado também com cinco mil euros pela Agência Nacional de Inovação, parceira da Altice na iniciativa, foi realizado em parte no Instituto de Telecomunicações de Aveiro.

Uma aplicação móvel portuguesa que permite aos camionistas pouparem até 20 por cento de gasóleo foi premiada com 50 mil euros na categoria "Startups".

A "FuelSave", já usada por empresas transportadoras, recorre "a dados em tempo real e a algoritmos", permitindo "dar instruções, também em tempo real e num formato semelhante ao das indicações de uma aplicação de navegação". A tecnologia utilizada recorre igualmente a "telemetria em tempo real", fornecendo as "melhores recomendações de condução" ao camionista.

A aplicação, criada em 2018, já tinha sido distinguida em julho pela fundação da petrolífera espanhola Repsol com um apoio até 144 mil euros durante um ano.

Os dois vencedores foram selecionados por um júri liderado pelo presidente executivo da Altice Portugal, Alexandre Fonseca.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.