Aliança/Congresso: Ex-ministro Martins da Cruz é um dos "vices" da lista de Santana

O embaixador António Martins da Cruz, a antiga secretária de Estado Rosário Águas e o ex-presidente da Câmara da Covilhã Carlos Pinto são três dos vice-presidentes da lista candidata à direção da Aliança, presidida por Santana Lopes.

A lista "A", de Pedro Santana Lopes, é a única apresentada aos órgãos do partido e está a ser votada, desde as 09:00, pelos delegados presentes no congresso nacional da Aliança, em Évora.

O fundador do partido, Pedro Santana Lopes, ocupa o lugar de presidente da Direção Política Nacional, órgão para o qual são propostos sete vice-presidentes.

Os nomes mais "sonantes" para as vice-presidências são os de alguns dos oradores do primeiro dia de trabalhos do congresso, no sábado, como o do embaixador António Martins da Cruz, que foi ministro dos Negócios Estrangeiros do XV Governo Constitucional, chefiado por Durão Barroso, entre 2002 e 2003.

Rosário Águas, que, nos governos PSD, foi secretária de Estado da Habitação (2003-2004), da Segurança Social (2004) e da Administração Pública (2004-2005), ocupa outra das da vice-presidências, assim como o antigo presidente social-democrata da Covilhã Carlos Pinto.

Ana Pedrosa Augusto, Bruno Ferreira Costa, Carlos Poço e João Borges da Cunha são outros vice-presidentes.

A Comissão Política Nacional integra também representantes para as Regiões Plano (Norte, Centro, Lisboa, Alentejo, Algarve, Madeira e Açores), assim como um representante para a Europa e outro para o Resto do Mundo.

Já para o Senado, a lista de Pedro Santana Lopes integra 30 nomes, sendo o primeiro deles o de João Pedro Varandas, advogado e irmão do atual presidente do Sporting.

A reitora da Universidade de Évora, Ana Costa Freitas, vai permanecer como presidente da Mesa do Congresso, segundo a lista em votação, enquanto José Pereira da Costa fica como presidente do conselho jurisdicional e Sónia Carreira da Conceição como presidente do órgão da auditoria.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.