"Alguém como eu", filme de Leonel Vieira, estreia-se a 12 de outubro

O filme "Alguém como eu", do realizador português Leonel Vieira, com coprodução e elenco luso-brasileiro, estreia-se nos cinemas a 12 de outubro, anunciou a Stopline Films.

O filme é apresentado como "uma comédia romântica" rodada entre o Rio de Janeiro e Lisboa, protagonizada pela atriz brasileira Paolla Oliveira e pelo ator português Ricardo Pereira, que vive e trabalha sobretudo no Brasil.

"Alguém como eu" terá "o maior lançamento comercial em sala de um filme falado em português, nos mercados de Portugal e Brasil", por ser distribuído pela NOS Audiovisuais e pela Paris Filmes (Brasil).

O filme terá ainda exibição televisiva assegurada no Brasil por causa de uma parceria com a rede brasileira Telecine.

Além de Paolla Oliveira e Ricardo Pereira, o elenco contará ainda, entre outros, José Pedro Vasconcelos, Sara Prata e José Martins, e os atores brasileiros Júlia Rabello e Arlindo Lopes.

Leonel Vieira, produtor e realizador, fez a primeira longa-metragem, "A sombra dos abutres" em 1998, à qual se seguiram, por exemplo, "A selva" (2002) e "Julgamento" (2007).

Assinou ainda adaptações de dois filmes antigos da comédia portuguesa - "O pátio das cantigas" e "O leão da Estrela" (2015).

"O pátio das cantigas" é o filme português mais visto em sala comercial, pelo menos desde que há estatísticas oficiais da exibição de cinema em Portugal, ou seja, desde 2004, com um total de 608.162 espectadores.

Até ao final do ano, além de "Alguém como tu" chegarão ao circuito comercial outros filmes portugueses, nomeadamente "Al berto", de Vicente Alves do Ó (05 de outubro), "Colo", de Teresa Villaverde (12 de outubro), e "Peregrinação", de João Botelho (01 de novembro).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...