Alcobaça debate enoturismo e património do vinho em colóquio ibero-americano

O Museu do Vinho de Alcobaça vai realizar, no dia 10 de novembro, o primeiro colóquio ibero-americano em torno do património cultural vinhateiro, juntando especialistas de Portugal, Espanha e Brasil a debater a situação dos museus dos respetivos países.

"Vamos fechar o ano a fazer um ponto de situação dos museus ibéricos e a debater o que está a ser feito em países como o Brasil", disse à agência Lusa Alberto Guerreiro, responsável pela organização do Colóquio Ibero-americano de Património Cultural do Vinho.

Integrado nas comemorações do Dia Mundial e Europeu do Enoturismo, a iniciativa intitulada "Enomemórias & Enoturismo: Os Territórios Culturais do Vinho. Paisagem, Museus, Comunidade" contará, pela primeira vez com oradores de Portugal, Espanha e Brasil que, segundo o coordenador técnico e científico do Museu do Vinho de Alcobaça, "irão debater questões ligadas ao património cultural do vinho nos respetivos territórios e na perspetiva do que podem ser os benefícios de trabalhar em rede".

A realidade dos museus do vinho, mas também "a paisagem" ou a ligação "à comunidade", serão o mote para debater o setor do Enoturismo com a participação de especialistas como Ivane Fávero, presidente da Associação Internacional de Enoturismo, Joaquin Fernandez, vice-presidente da Associação de Museus do Vinho de Espanha, José Arruda, secretário-geral da Associação de Municípios Portugueses do Vinho (AMPV), Eduardo Gonçalves, vice-reitor do Instituto Universitário da Maia, Dóris Couto, investigadora brasileira atualmente a desenvolver uma residência científica no Museu do Vinho de Alcobaça, e Fernando dos Santos, investigador do ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa, entre outros.

Se o vinho tem ou não uma identidade própria, o peso da paisagem no património cultural vinhateiro ou o papel da enomemória nas renovadas potencialidades do setor do enoturismo são alguns dos temas em debate na iniciativa, explicou Alberto Guerreiro, "partindo de uma abordagem alargada sobre o próprio conceito de museu analisará casos relevantes dentro do contexto ibero-americano" e ficará marcada pela apresentação de teses de investigadores.

"As intervenções serão publicadas em ata, em 2019", ano em que, cumprindo a tradição, o Museu do Vinho do Alcobaça realizará mais um colóquio, "provavelmente alargado a outros países", acrescentou o responsável.

O colóquio terá lugar na Adega dos Vinhos Tintos, no Museu do Vinho de Alcobaça, no próximo dia 10 de novembro.

O Dia Europeu do Enoturismo é uma iniciativa promovida pela Rede Europeia de Cidades do Vinho (RECEVIN), da qual fazem parte as autarquias portuguesas com tradição vitivinícola e infraestruturas museológicas dedicadas ao setor.

Foi criado em 2009 tendo em vista a divulgação do turismo vinícola e das diversas rotas existentes na Europa. Celebra-se tradicionalmente no segundo domingo de novembro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...