Agrovouga ressurge em Aveiro virada para a agro sustentabilidade

Aveiro, 24 abr 2019 (Lusa) -- A Agrovouga, certame agropecuário que se realizava anualmente em Aveiro e foi suspenso em 2012, vai reaparecer em novembro, dedicado à agro sustentabilidade, anunciou hoje a câmara municipal.

O objetivo, assumiu o presidente da câmara, Ribau Esteves, na conferência de imprensa de apresentação da "nova" Agrovouga, é fazer uma feira com uma nova e distinta personalidade, em complemento a outras feiras do país, "tendo na agro sustentabilidade a ideia central".

Com um orçamento de 200 mil euros, "será um evento também ele ambientalmente sustentável", garantiu o autarca, afirmando que o ressurgimento do certame procura "lutar contra o distanciamento entre o prato e a terra, entre o campo e a cidade", e ser "uma montra para quem produz, palco para quem cozinha, banca para quem vende e mesa para quem come".

A Agrovouga decorrerá de 20 a 24 de novembro no Parque de Feiras e Exposições AveiroExpo e será organizada em 12 focos temáticos. O primeiro é o mais tradicional, o da agricultura e pecuária, com o setor leiteiro e o concurso de raças de denominação de origem protegida, mas também com áreas como a agricultura biológica, a agricultura caseira, floricultura e jardinagem, nutrição e saúde.

Segue-se a 'Bio market', dedicado a produtos biológicos para a alimentação e outros fins, e as confrarias gastronómicas.

"Queremos que seja um espaço de encontro das várias confrarias que têm feito um trabalho notável na promoção dos produtos diferenciadores dos territórios", declarou Ribau Esteves.

A área da floresta estará também presente, mas muito dedicada à investigação e desenvolvimento, relacionada com o centro Raiz da Navigator, porque já existe no vizinho município de Albergaria-a-Velha uma feira da especialidade.

"Não queremos ocupar o espaço da feira de Albergaria, mas dar visibilidade à investigação florestal", justificou o autarca.

A gastronomia e restauração será marcada pela presença de seis restaurantes com produtos exclusivos da região, além das tradicionais "barracas" no exterior, e o vinho terá uma área própria de exposição e venda.

"Novos Negócios da Terra" é como Ribau Esteves chamou a uma nova área expositiva dedicada ao Ambiente, Energias Renováveis e Tecnologias, enquanto o setor das pescas se junta a uma feira da terra com os produtos da Ria e da zona costeira atlântica.

Turismo ambiental, rural e marítimo, palestras e encontros técnicos e sessões de demonstração de culinária e degustação completam a organização do espaço.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.