Adufeiras de Monsanto atuam nas Nações Unidas no 10 de junho

As Adufeiras de Monsanto vão realizar cinco atuações nos Estados Unidos, uma das quais nas Nações Unidas, no âmbito das comemorações do 10 de junho, foi hoje anunciado.

Em comunicado enviado à agência Lusa, as Adufeiras de Monsanto explicam que a deslocação aos Estados Unidos da América surge na sequência de um convite do cônsul de Portugal em Newark, Pedro Soares de Oliveira, sendo que vão realizar um conjunto de cinco espetáculos nos dias 08, 09 e 10 de junho.

"Juntando-se às celebrações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, o grupo atuará no edifício da Assembleia Geral das Nações Unidas, no New Jersey Performing Arts Center, em Bethlehem, no Sport Club Português e no Festival de Folclore de Newark", lê-se na nota.

As Adufeiras de Monsanto são um grupo cujo repertório se baseia no cancioneiro popular desta aldeia do concelho de Idanha-a-Nova, no distrito de Castelo Branco,

As suas atuações distinguem-se pela beleza dos seus trajes, réplicas de vestes antigas, e pela genuinidade dos cantares e do tocar do adufe, que ainda hoje é tocado apenas pelas mulheres, constituindo representações das tradições milenares de Monsanto, que desde 1938 é conhecida por ser a Aldeia Mais Portuguesa de Portugal.

Atualmente composto por seis elementos, a formação original das Adufeiras de Monsanto nasce em 1997, quando Amélia Mendonça e Laura Pedro são desafiadas pela etnomusicóloga Salwa Castelo Branco e pelo encenador Ricardo Pais a reunir um grupo de mulheres monsantinas.

Na altura, integraram o elenco do espectáculo "Raízes Rurais, Paixões Urbanas", com direcção cénica do próprio Ricardo Pais e que contou com a participação, entre outros, de Maria João e Mário Laginha, numa co-produção do Teatro Nacional de S. João, no Porto, e da Cité de la Musique, em Paris.

Desde então, têm atuado em Portugal e no estrangeiro, participado em espectáculos e discos de grandes nomes da música portuguesa, e editaram dois CD nos quais registaram parte significativa do cancioneiro musical monsantino, para memória futura.

Idanha-a-Nova foi oficialmente aceite, em dezembro de 2015, no grupo de Cidades da Música da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), sendo que o adufe foi o símbolo da sua candidatura.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.