Adalberto da Costa Júnior reconduzido como líder da bancada parlamentar da UNITA

O deputado da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA) Adalberto da Costa Júnior foi hoje reconduzido como presidente daquele grupo parlamentar, informou à Lusa fonte do maior partido da oposição.

A decisão foi tomada após a primeira reunião do grupo parlamentar da UNITA, que quase duplicou, para 51, o total de deputados, na sequência das eleições gerais de 23 de agosto passado, em que foi o segundo partido mais votado.

A decisão consta de um despacho que segundo a UNITA já foi enviado ao presidente da Assembleia Nacional, assinado pelo líder e deputado do partido, Isaías Samakuva, designando ainda os deputados Estevão José Pedro Kachiungo e Albertina Navemba Ngolo Felisberto para os cargos de primeiro e segunda vice-presidentes da bancada, respetivamente.

Os deputados angolanos (219 de um total de 220) tomaram posse a 28 de setembro, estando a sessão de abertura do novo ano parlamentar - o primeiro da atual legislatura - agendada para o dia 16 de outubro.

O Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) venceu as eleições gerais de 23 de agosto, mas perdeu 25 deputados no parlamento, passando para 150.

O partido já anunciou que o deputado Salomão Xirimbimbi será o novo presidente do grupo parlamentar do MPLA durante os próximos cinco anos, em substituição de Virgílio de Fontes Pereira, enquanto Fernando da Piedade Dias dos Santos continua a liderar o parlamento, conforme votação realizada a 28 de setembro.

Nas eleições gerais de agosto, a Convergência Ampla de Salvação de Angola - Coligação Eleitoral (CASA-CE) elegeu 16 deputados, o Partido de Renovação Social (PRS) dois e a Frente Nacional de Libertação de Angola (FNLA) um deputado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Quem ameaça a União Europeia?

Em 2017, os gastos com a defesa nos países da União Europeia tiveram um aumento superior a 3% relativamente ao ano anterior. Mesmo em 2016, os gastos militares da UE totalizaram 200 mil milhões de euros (1,3% do PIB, ou o dobro do investimento em proteção ambiental). Em termos comparativos, e deixando de lado os EUA - que são de um outro planeta em matéria de defesa (o gasto dos EUA é superior à soma da despesa dos sete países que se lhe seguem) -, a despesa da UE em 2016 foi superior à da China (189 mil milhões de euros) e mais de três vezes a despesa da Rússia (60 mil milhões, valor, aliás, que em 2017 caiu 20%). O que significa então todo este alarido com a necessidade de aumentar o esforço na defesa europeia?