Academia de Artes de Idanha-a-Nova recebe certificação internacional na música

A Academia de Artes de Idanha-a-Nova obteve o reconhecimento da 'Associated Board of the Royal Schools of Music', com sede em Londres, e passa a seguir os seus modelos pedagógicos e de certificação musical, foi hoje anunciado.

"Dedicada ao ensino da música, a Academia de Artes Catarina Chitas [Idanha-a-Nova] fica agora inserida num sistema de certificação internacional que é líder mundial em exames de música", explica, em comunicado, o município de Idanha-a-Nova.

A instituição, que é coordenada pela Filarmónica Idanhense e apoiada pela Câmara de Idanha-a-Nova, inicia este mês o ano letivo 2018/2019 com perto de 100 alunos dos três aos 17 anos.

A Academia de Artes Catarina Chitas vai poder lecionar e certificar, em conjunto com a 'Associated Board of the Royal Schools of Music' (ABRSM), todos os graus de ensino preparatório, desde iniciação até ao 8.º grau, em vários instrumentos, com diploma reconhecido internacionalmente.

"Esta certificação é mais um trunfo para a afirmação do ensino da música em Idanha-a-Nova, Cidade Criativa da Música da UNESCO. Os alunos da academia passam a ter acesso a um reconhecimento internacional das suas aprendizagens", explica João Abrantes, diretor artístico da Filarmónica Idanhense.

A certificação internacional tem como referências a Royal Academy of Music, o Royal College of Music, o Royal Northern College of Music e o Royal Conservatoire of Scotland, instituições de ensino que compõem a ABRSM.

Entre as disciplinas lecionadas constam formação musical, iniciação rítmica, informática aplicada à música.

Além disso, é ministrada a aprendizagem de vários instrumentos, como a flauta, clarinete, saxofone, trompete, trompa, trombone, euphonium, tuba, percussão, piano, guitarra clássica, cavaquinho e viola beiroa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?