A "Vida do Grande D. Quixote e do Gordo Sancho Pança" em estreia no Porto

A "Vida do Grande D. Quixote de La Mancha e do Gordo Sancho Pança", do dramaturgo António José da Silva, estreia-se no Porto na sexta-feira e promete ser um espetáculo de "diversão", "prazer" e "para a família toda".

"É uma peça para toda a família", porque a "primeira camada de entendimento do teatro deve ser o "prazer lúdico de diversão", declarou, em entrevista à Lusa, António Capelo, diretor artístico do Teatro do Bolhão e intérprete da personagem de Sancho Pança na peça encenada por Kuniaki Ida.

Cem anos depois de "Dom Quixote de la Mancha" ter sido escrito pelo espanhol Miguel de Cervantes (1615), o dramaturgo português António José da Silva, também conhecido por O Judeu, reescreveu para teatro de marionetas uma peça de para cerca de quatro horas de duração, focando-se no mundo de Sancho Pança.

Depois de António Capelo ter escrito uma versão mais curta daquela dramaturgia de O Judeu e dois meses depois de ensaios, chega na sexta-feira ao Palácio do Bolhão, a peça "Vida do Grande D. Quixote de La Mancha do Gordo Sancho Pança".

A peça acompanha o caminho de Sancho Pança num mundo "entre realidade e sonho, que muitas vezes se configura como um pesadelo entre o poder da folia e a folia do poder, como a Torre de Babel", descreve o encenador.

"Quando o outro [Sancho Pança] desce à terra, o Quixote vai para uma outra realidade, vai para a realidade do teatro, que é uma dupla realidade. É como se o teatro também fosse uma espécie de consciência do mundo e nesse aspeto o texto também tem um valor hoje em dia exatamente por isso. Neste mundo de 'fake news' [notícias falsas], em que a gente não sabe o que é verdade e o que é que deixa de ser verdade há aqui um espaço de absoluta liberdade que é o teatro que pode de alguma maneira refletir ou ajudar a refletir sobre o nosso mundo", diz, por seu turno António Capelo.

Neste espetáculo, "a ilusão e a realidade confundem-se num universo delirante e cómico, o idealismo (...) é também a capacidade de ver outra realidade, utópica e deixar-nos perder, divertir e maravilhar com D. Quixote e Sancho Pança", lê-se no dossiê de imprensa.

O espetáculo pode ser visto de quinta--feira a sábado às 21:30, aos domingos às 16:00 e às quartas-feiras as 19:00, até 24 de novembro.

Os ingressos custam 10 euros.

Ângela Marques, Bernardo Gavina, Clara Gondin, João Paulo Costa, Rute Miranda, Mário Santos e Sandro Rodrigues são também os intérpretes nesta peça, para além dos protagonistas António Capelo e Paulo Calatré.

A luz vai estar a cargo de Rui Monteiro, o som a cargo de José Prata e os adereços têm a assinatura de Paula Cabral.

Cristóvão Neto é o responsável pela cenografia e adereços e António Capelo também ficou responsável pela versão cénica.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.