A "Vida do Grande D. Quixote e do Gordo Sancho Pança" em estreia no Porto

A "Vida do Grande D. Quixote de La Mancha e do Gordo Sancho Pança", do dramaturgo António José da Silva, estreia-se no Porto na sexta-feira e promete ser um espetáculo de "diversão", "prazer" e "para a família toda".

"É uma peça para toda a família", porque a "primeira camada de entendimento do teatro deve ser o "prazer lúdico de diversão", declarou, em entrevista à Lusa, António Capelo, diretor artístico do Teatro do Bolhão e intérprete da personagem de Sancho Pança na peça encenada por Kuniaki Ida.

Cem anos depois de "Dom Quixote de la Mancha" ter sido escrito pelo espanhol Miguel de Cervantes (1615), o dramaturgo português António José da Silva, também conhecido por O Judeu, reescreveu para teatro de marionetas uma peça de para cerca de quatro horas de duração, focando-se no mundo de Sancho Pança.

Depois de António Capelo ter escrito uma versão mais curta daquela dramaturgia de O Judeu e dois meses depois de ensaios, chega na sexta-feira ao Palácio do Bolhão, a peça "Vida do Grande D. Quixote de La Mancha do Gordo Sancho Pança".

A peça acompanha o caminho de Sancho Pança num mundo "entre realidade e sonho, que muitas vezes se configura como um pesadelo entre o poder da folia e a folia do poder, como a Torre de Babel", descreve o encenador.

"Quando o outro [Sancho Pança] desce à terra, o Quixote vai para uma outra realidade, vai para a realidade do teatro, que é uma dupla realidade. É como se o teatro também fosse uma espécie de consciência do mundo e nesse aspeto o texto também tem um valor hoje em dia exatamente por isso. Neste mundo de 'fake news' [notícias falsas], em que a gente não sabe o que é verdade e o que é que deixa de ser verdade há aqui um espaço de absoluta liberdade que é o teatro que pode de alguma maneira refletir ou ajudar a refletir sobre o nosso mundo", diz, por seu turno António Capelo.

Neste espetáculo, "a ilusão e a realidade confundem-se num universo delirante e cómico, o idealismo (...) é também a capacidade de ver outra realidade, utópica e deixar-nos perder, divertir e maravilhar com D. Quixote e Sancho Pança", lê-se no dossiê de imprensa.

O espetáculo pode ser visto de quinta--feira a sábado às 21:30, aos domingos às 16:00 e às quartas-feiras as 19:00, até 24 de novembro.

Os ingressos custam 10 euros.

Ângela Marques, Bernardo Gavina, Clara Gondin, João Paulo Costa, Rute Miranda, Mário Santos e Sandro Rodrigues são também os intérpretes nesta peça, para além dos protagonistas António Capelo e Paulo Calatré.

A luz vai estar a cargo de Rui Monteiro, o som a cargo de José Prata e os adereços têm a assinatura de Paula Cabral.

Cristóvão Neto é o responsável pela cenografia e adereços e António Capelo também ficou responsável pela versão cénica.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.